quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

RELEMBRANDO DUQUE E MÁRIO PINHEIRO


A data de hoje, 10 de janeiro, marca o nascimento e o falecimento de dois grandes artistas de nossa música popular.



DUQUE

DUQUE
Fon Fon, 1915.
http://memoria.bn.br


Antônio Lopes de Amorim Diniz nasceu em Salvador (BA), em 10 de janeiro de 1884, falecendo no Rio de Janeiro em 28 de setembro de 1953.

Foi um famoso bailarino, teatrólogo, jornalista, compositor, letrista, tendo formando-se dentista. Morando no Rio de Janeiro a partir de 1906, foi um dos grandes divulgadores de nossa música no exterior, levando o Maxixe para a Europa, com grande sucesso. Apresentava-se dançando com uma parceira, tendo feito dupla com a atriz Maria Lino, Gaby e Arlette Dorgère.


DUQUE E GABY
Fon Fon, 1916.
http://memoria.bn.br

 Em 1926, compôs ao lado do maestro Sebastião Cirino, para a revista Tudo Preto, da Companhia Negra de Revistas, o maxixe Cristo Nasceu Na Bahia, lançado pela atriz Dalva Espíndola, irmã de Aracy Côrtes. Porém, coube ao tenor Arthur Castro gravar em disco Odeon Record, lançado em 1926 ainda no processo mecânico de gravação, um sucesso nesse Carnaval.

Em 1927, a Odeon passava a fazer gravações elétricas no Brasil e o primeiro disco gravado nessa nova tecnologia, na voz de Francisco Alves, trazia duas composições de Duque, Albertina, marcha, e Passarinho do Má, samba.

Também se dedicou ao teatro de revista, escrevendo peças.

O primeiro disco da gravadora Brunswick no Brasil trazia um samba de sua autoria em parceria com o maestro J. Thomaz, que o gravou, chamado Sarambá, lançado em dezembro de 1929.



CRISTO NASCEU NA BAHIA
Maxixe de Sebastião Cirino E Amorim Diniz (Duque)
Gravado por Arthur Castro
Acompanhamento do American Jazz Ban Sílvio de Souza e Coro
Disco Odeon Record 123.124
Lançado em 1926



ALBERTINA
Marcha de Antônio Amorim Diniz (Duque)
Gravada por Francisco Alves
Acompanhamento da Orquestra Pan American do Cassino Copacabana
Disco Odeon 10.001-A, matriz 1162
Lançado em julho de 1927



PASSARINHO DO MÁ
Samba de Antônio Amorim Diniz (Duque)
Gravado por Francisco Alves
Acompanhamento da Orquestra Pan American do Cassino Copacabana
Disco Odeon 10.001-B, matriz 1163
Lançado em julho de 1927



EU NÃO ERA ASSIM
Samba de Antônio Amorim Diniz (Duque)
Gravado por Francisco Alves
Acompanhamento da Orquestra Pan American do Cassino Copacabana
Disco Odeon 10.090-A, matriz 1411
Lançado em janeiro de 1928



GOSTO DE APANHÁ
Samba de Antônio Amorim Diniz (Duque)
Gravado por Pedro Celestino
Acompanhamento do Grupo Cassino Copacabana
Disco Odeon 10.095-A, matriz 1467
Lançado em fevereiro de 1928



VOU TE BUSCAR
Samba de Antônio Amorim Diniz (Duque)
Gravado por Francisco Alves
Acompanhamento da Orquestra Pan American do Cassino Copacabana
Disco Odeon 10.179-B, matriz 1642
Gravado em 29 de março de 1928 e lançado em junho



SARAMBÁ
Samba de J. Thomaz e Antônio de Amorim Diniz (Duque)
Gravado por J. Thomaz
Acompanhamento da Orquestra Brunswick e Coro
Disco Brunswick 10.000-A, matriz 23
Lançado em dezembro de 1929



SÃO PAULO BANDEIRANTE
Marcha de Amorins Diniz (Duque) e Benedito Camargo
Gravada por Augusto Calheiros
Acompanhamento da Orquestra Odeon
Disco Odeon 11.284-A, matriz 5167
Gravado em 11 de outubro de 1935 e lançado em novembro



BAIÃO EM PARIS
Baião de Amorim Diniz (Duque) e Ronaldo Lupo
Gravado por Ronaldo Lupo
Acompanhamento de Orquestra
Disco Todamérica TA-5.040-A, matriz TA-81
Gravado em 04 de dezembro de 1950 e lançado em fevereiro de 1951





MÁRIO PINHEIRO

MÁRIO PINHEIRO
Arquivo Nirez


Mário Pinheiro tem ligação com Fortaleza (CE) através de sua mãe, que trabalhou na Santa Casa de Misericórdia, localizada nessa capital. Porém, Mário nasceu na cidade de Campos, Rio de Janeiro, em 03 de outubro de 1883 (segundo um jornal da época. Há fontes que dão, aproximadamente, o ano de 1880), falecendo no Rio de Janeiro, em 10 de janeiro de 1923.

Começou a trabalhar como palhaço em um circo localizado no bairro carioca de Piedade, já fazendo sucesso. Depois, passou a cantar cançonetas e modinhas no palco do teatrinho que havia no Passeio Público, no Rio de Janeiro, acompanhando-se ao violão. 

Sua popularidade fez com que fosse contratado por Fred Figner para gravar discos na Casa Edison. A partir de 1904, os discos de Mário Pinheiro eram gravados e lançados ao mercado, aumentando seu prestígio. Logo, estava ao lado dos grandes intérpretes da primeira década do século XX, como Bahiano, Cadete, Lino, Campos, Eduardo das Neves, Geraldo Magalhães, Nozinho, Neco, entre outros.

Seu repertório é bem variado e ele se destacava em todos os estilos. Seja nas serenatas, modinhas ou canções, como nas cançonetas, lundus e maxixes.

Seus discos e modinhas faziam tanto sucesso que seu repertório era ouvidos e conhecido no Brasil inteiro. Em uma época onde a divulgação das músicas ainda era muito precária, suas modinhas faziam sucesso até no interior do Ceará, como Yara (Rasga o Coração).
Os trovadores do Norte e Nordeste conheciam e respeitavam o nome e repertório de Mário Pinheiro.


Em 14 de julho de 1909, Mário estava no elenco da ópera Moema, de Delgado de Carvalho, que inaugurou o Theatro Municipal do Rio de Janeiro.


GENTIL FORMOSA
Canção
Gravada por Mário Pinheiro
Disco Odeon Record 40.024, matriz RX-19
Lançado em 1904



SENTIMENTO OCULTO
Modinha de Anacleto de Medeiros e Catullo da Paixão Cearense
Gravada por Mário Pinheiro
Disco Odeon Record 40.044
Lançado em 1904



NAIR
Schottisch de Eduardo das Neves
Gravado por Mário Pinheiro
Acompanhamento de Violão
Disco Odeon Record 40. 046
Lançado em 1904



PRINCESA DO IMPÉRIO CHINÊS
Modinha
Gravada por Mário Pinheiro
Acompanhamento de Violão
Disco Odeon Record 40.143, matriz RX-3
Lançado em 1904



A VACINA OBRIGATÓRIA
Cançoneta
Gravada por Mário Pinheiro
Disco Odeon Record 40.169, matriz RX-17
Lançado em 1904



PAIXÃO DE AMOR
Cançoneta
Gravada por Mário Pinheiro
Disco Odeon Record 40.361, matriz RX-406
Lançado provavelmente em 1905
Obs. Na verdade é uma Canção.



POR UM BEIJO
Valsa de Anacleto de Medeiros e Catullo da Paixão Cearense
Gravada por Mário Pinheiro
Disco Odeon Record 40.433
Lançado em 1905



CASINHA PEQUENINA
Cançoneta popular
Gravada por Mário Pinheiro
Acompanhamento de Violão
Disco Odeon Record 40.472
Lançado em 1905
Obs. Trata-se de uma canção de motivo popular.



BEIJA FLOR
Cançoneta de Salvador Fábregas e Catullo da Paixão Cearense
Gravada por Mário Pinheiro
Disco Odeon 40.474
Lançado em 1905
Obs. É uma valsa, com a melodia de Borboleta Gentil (Frou-Frou), gravada por Senhorita Odette em 1903.



CLÉLIA (AO DESFRALDAR DA VELA)
Modinha de Luís de Souza e Catullo da Paixão Cearense
Gravada por Mário Pinheiro
Acompanhamento de Violão
Disco Odeon 40.490
Lançado e 1905











Agradecimento ao Arquivo Nirez










Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...