Páginas

Translate

domingo, 25 de agosto de 2019

ERNESTO DOS SANTOS (DONGA) - 45 ANOS DE IDADE


ERNESTO DOS SANTOS (DONGA)
http://pt.jango.com/


Há 45 anos falecia o compositor e violonista ERNESTO DOS SANTOS (DONGA).

Ernesto Joaquim Maria dos Santos nasceu no Rio de Janeiro em 05 de abril de 1890. Era filho de Amélia Silvana de Araújo e Pedro Joaquim Maria. O casal teve nove filhos. Mesmo com o nome de batismo como Ernesto Joaquim Maria, gostava de assinar Ernesto dos Santos. Seu pai era pedreiro construtor e, nas horas vagas, tocava bombardino. Sua mãe era a famosa Tia Amélia, do grupo das baianas da Cidade Nova, e gostava de cantar modinhas, promovendo festas e reuniões de samba.

Aos 14 anos, começou a aprender cavaquinho, ouvindo as músicas de Mário Cavaquinho, a quem admirava. Depois, passou a tocar violão.

Em 1913, integrou o Grupo do Caxangá, organizado por João Pernambuco, de matiz nordestina.

Uma de suas primeiras composições foi a modinha Olhar de Santa. Mas entraria para a história da MPB ao registrar, em 27 de novembro de 1916, a partitura do samba Pelo Telephone, composição surgida em uma reunião na casa de Tia Ciata. Seria o primeiro samba registrado, mas não o primeiro gravado em disco. A parceria ao lado de Mauro de Almeida gerou polêmica, pois outros reclamavam sua participação na obra.

Pelo Telephone foi um sucesso no Carnaval de 1917, sendo gravado ainda em 1916 pela Banda Odeon e em 1917 pelo célebre cantor Bahiano (Manuel Pedro dos Santos). Antes, seria lançado no Teatro de Revista pela famosa atriz Júlia Martins. Mais uma polêmica: os versos originais “O Chefe da Polícia” precisaram ser mudados para “O Chefe da Folia”.

Desde o final da década de 1910, Donga teve suas músicas gravadas. Nos anos 20, o cantor Fernando lançaria sucessos como Nosso Ranchinho, toada que também seria lançada no Teatro de Revista, com êxito.

Donga também fez parte do famoso conjunto Os Oito Batutas, uma continuação com menos integrantes do Grupo Caxangá. Em 1920, apresentaram-se em um almoço oferecido ao rei Alberto, da Bélgica, que visitava o Brasil. Em 1922, o grupo viajou a Paris, levando nossa música e fazendo sucesso.

Com o advento da gravação elétrica, Donga teve suas músicas gravadas com mais periodicidade. Francisco Alves e Gastão Formenti gravaram juntos o samba Foram-se os Malandros, em parceria com Casquinha, lançado pela Odeon em fevereiro de 1928. Por essa época, organizou a Orquestra Típica Pixinguinha-Donga, acompanhando gravações em discos Parlophon.

Na Odeon, continuava com o grupo rebatizado Orquestra Típica dos Oito Batutas.


Donga
O Cruzeiro, 1946
http://memoria.bn.br

 Uma de suas mais belas e sentidas composições é a Canção dos Infelizes, em parceria com Luiz Peixoto. A música foi gravada em 1930 por Zaíra Cavalcanti, sendo regravada em 1931 por Zaíra de Oliveira. Dois belos registros em estilos diferentes.

Em 1932, Donga se casaria com a soprano Zaíra de Oliveira, artista muito querida e possuidora de grande talento. O casal seria pai da futura historiadora Lygia dos Santos.

Donga seguiria sua carreira como um dos grande compositores de nossa música, figura importante de nossa história cultural.

Ele ficou casado com Zaíra de Oliveira até a morte dela, em 1951. Depois, casou-se com Maria, que seguiria carreira artística como Vovó Maria.

Donga faleceu no Rio de Janeiro em 25 de agosto de 1974, aos 84 anos de idade.


Donga
O Cruzeiro, 1975
http://memoria.bn.br

  
Trago vinte e cinco gravações de sua autoria, tanto na fase mecânica como na elétrica. São registros feitos entre 1916 e 1938 por nomes como baiano, Francisco Alves, Carmen Miranda, Benício Barbosa, Neide Martins, entre outros.



Gravações Mecânicas

PELO TELEFONE
Samba de Ernesto dos Santos (Donga)
Gravado pela Banda Odeon
Disco Odeon Record 121.313, matriz R-204
Gravado em 1916 e lançado em 1917



PELO TELEFONE
Samba de Ernesto dos Santos (Donga) e Mauro de Almeida
Gravado por Bahiano
Acompanhamento de Conjunto e Coro
Disco Odeon Record 121.322
Gravado e lançado em 1917



O MALHADOR
Samba Carnavalesco de Ernesto dos Santos (Donga)
Gravado por Bahiano
Acompanhamento de Coro
Disco Odeon Record 121.442
Lançado em 1918



O VEADO À MEIA NOITE
Samba Carnavalesco de Ernesto dos Santos (Donga)
Gravado por Bahiano
Acompanhamento de Coro
Disco Odeon Record 121.443
Lançado em 1918



VOCÊ ME ACABA
Samba Carnavalesco de Ernesto dos Santos (Donga)
Gravado por Bahiano
Acompanhamento de Flauta, Cavaquinho e Violão
Disco Odeon Record 121.534
Lançado em 1919



FICA CALMO QUE APARECE
Samba de Ernesto dos Santos (Donga)
Gravado pelo Grupo do Pixinguinha
Disco Odeon Record 121.611
Lançado em 1919



OS ESCOTEIROS
Tango de Ernesto dos Santos (Donga)
Gravado pelo Grupo do Pixinguinha
Disco Odeon Record 121.615
Lançado em 1919



NOSSO RANCHINHO
Samba Carnavalesco de Ernesto dos Santos (Donga)
Gravado por Fernando
Acompanhamento do Jazz Band Sul Americano Romeu Silva e Coro
Disco Odeon 122.832
Lançado em 1925



RANCHINHO DESFEITO
Toada de Ernesto dos Santos (Donga)
Gravada por Patrício Teixeira
Acompanhamento de Violão e Cavaquinho
Disco Odeon Record 122.959
Lançado em 1926



VISÃO DO PASSADO
Fado Tango de Ernesto dos Santos (Donga)
Gravado pela Orquestra da Casa Edison
Disco Odeon Record 123.060
Gravado e lançado em 1926



Gravações Elétricas

FORAM-SE OS MALANDROS
Samba de Ernesto dos Santos (Donga) e Casquinha
Gravado por Francisco Alves e Gastão Formenti
Acompanhamento da Orquestra Pan American do Cassino Copacabana
Disco Odeon 10.134-A, matriz 1495
Lançado em fevereiro de 1928



TIRA CANGA
Samba de Ernesto dos Santos (Donga)
Gravado por Francisco Alves
Acompanhamento da Orquestra Pan American do Cassino Copacabana
Disco Odeon 10.146-A, matriz 1549
Lançado em março de 1928



PASSARINHO BATEU ASAS
Samba de Ernesto dos Santos (Donga)
Gravado por Francisco Alves
Acompanhamento de Rogério Guimarães e Francisco Alves aos Violões
Disco Odeon 10.160-A, matriz 1492-II
Lançado em abril de 1928



SEU MANÉ LUIZ
Samba de Ernesto dos Santos (Donga)
Gravado por Benício Barbosa e Henrique Chaves
Acompanhamento da Orquestra dos Oito Batutas
Disco Odeon 10.248-B, matriz 1867
Gravado em 10 de agosto de 1928 e lançado em setembro de 1928



MEXERIQUEIRO
Samba de Ernesto dos Santos (Donga)
Gravado por Benício Barbosa
Acompanhamento da Orquestra dos Oito Batutas
Disco Odeon 10.294-B, matriz 2058
Lançado em dezembro de 1928



JUREMA
Marcha de Ernesto dos Santos (Donga)
Gravada por Benício Barbosa
Acompanhamento da Orquestra Típica Pixinguinha-Donga
Disco Parlophon 12.941-A, matriz 2355
Lançado em abril de 1929



SAUDADES DA BAHIA
Samba de Ernesto dos Santos (Donga)
Gravado por Vicente Paiva Ribeiro
Acompanhamento da Orquestra Típica Pixinguinha-Donga
Disco Parlophon 12.942-A, matriz 2414
Lançado em abril de 1929



O QUE HÁ CONTIGO
Samba de Ernesto dos Santos (Donga)
Gravado por Mário Reis
Acompanhamento da Orquestra Pan American, sob a direção de Simon Bountman
Disco Odeon 10.569-A, matriz 3313
Lançado em fevereiro de 1930



NÃO SEI
Choro de Ernesto dos Santos (Donga)
Gravado pelo Grupo dos Fulanos
Disco Brunswick 10.056-B, matriz 327
Lançado em maio de 1930



CANÇÃO DOS INFELIZES
Canção de Ernesto dos Santos (Donga) e Luiz Peixoto
Gravada por Zaíra de Oliveira
Disco Parlophon 13.361-A, matriz 131246
Lançado em dezembro de 1931



QUANDO VOCÊ MORRER
Samba de Ernesto dos Santos (Donga) e Aldo Taranto
Gravado por Carmen Miranda
Acompanhamento do Grupo da Guarda Velha
Disco Victor 33.617-A, matriz 65643-1
Gravado em 05 de janeiro de 1933 e lançado em fevereiro de 1933



QUEM CRIOU O CASO
Marcha Carnavalesca de Ernesto dos Santos (Donga) e Agenor Brandão
Gravada por Yolanda Visconti e Sílvio Pinto
Acompanhamento da Orquestra Típica Guarda Velha
Disco Columbia 22.257-B, matriz 1009
Lançado em janeiro de 1934



PÁSSARO URBANO
Valsa de Ernesto dos Santos (Donga) e Alberto Ribeiro
Gravada por Francisco Alves
Acompanhamento da Orquestra Victor Brasileira
Disco Victor 34.043-A, matriz 80013-1
Gravado em 27 de agosto de 1935 e lançado em abril de 1936



UMA ESTRELA BRILHOU
Marcha de Valsa de Ernesto dos Santos (Donga) e Sá Róris
Gravada por Neide Martins
Acompanhamento da Orquestra Odeon, sob a direção de Simon Bountman
Disco Odeon 11.680-A, matriz 5958
Gravado em 08 de novembro de 1938 e lançado em janeiro de 1939



ETERNO SONHO
Marcha de Valsa de Ernesto dos Santos (Donga) e Milton Amaral
Gravada por Neide Martins
Acompanhamento da Orquestra Odeon
Disco Odeon 11.680-B, matriz 5959
Gravado em 08 de novembro de 1938 e lançado em janeiro de 1939











Agradecimento ao Arquivo Nirez










Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...