sábado, 11 de janeiro de 2020

EFEMÉRIDES DE 11 DE JANEIRO: AUGUSTO CALHEIROS, JOÃO PETRA DE BARROS, HENRICÃO, MOZART BICALHO, LUCIANO PERRONE E ARMANDO PERCIVAL


A data de hoje, 11 de janeiro, marca o nascimento e falecimento dos seguintes artistas: AUGUSTO CALHEIROS, JOÃO PETRA DE BARROS, HENRICÃO, MOZART BICALHO, LUCIANO PERRONE e ARMANDO PERCIVAL.




AUGUSTO CALHEIROS


Augusto Calheiros
Arquivo Nirez


Augusto Calheiros nasceu em Maceió, Alagoas, em 05 de junho de 1891.

Ainda muito jovem, ele se transferiu para Recife, onde esteve em contato com a família do bandolinista Luperce Miranda, que era toda formada por músicos.

Em Recife, começou a cantar e pelo fato de ter a voz afinada, com um estilo peculiar, ficou conhecido como A Patativa do Norte, uma vez que nessa época o Nordeste era ainda designado como Norte. 

Augusto Calheiros foi convidado para ser o cantor em um grupo formado pelos irmãos Luperce (bandolim), João (bandolim), Romualdo Miranda (violão), Manoel de Lima (violão) e João Frazão (violão). Quem batizou o grupo foi o historiador Mário melo, que evocando os tempos do domínio holandês, no governo de Maurício de Nassau, passou a se chamar Turunas da Mauricéia (na grafia original: Turunas da Mauricéa).

O grupo chegou ao Rio de Janeiro em 1927, sem Luperce Miranda, que iria só meses depois. Cantavam suas emboladas e cocos, ritmos que até então eram desconhecidos na cidade, trajando roupas sertanejas e usando chapéus de abas largas erguidas na frente, onde se liam Guajurema, Riachão, Periquito e Patativa do Norte. O grupo fez grande sucesso, gravando vários discos, inclusive a embolada Pinião, de Augusto Calheiros e Luperce Miranda, sucesso no carnaval de 1928.

A partir de 1930 passou a gravar sozinho, também se apresentando na Casa de Caboclo, de Duque. Por volta de 1945 era um dos campeões de vendagens de discos.

Teve papel importante no início da carreira do violonista Dinho Sete Cordas, que convidava para participar dos espetáculos em circos onde se apresentava.

Seu repertório era vasto, tendo deixado gravadas várias valsas, sambas-canções e canções. 

Seu último disco saiu em 1956, pouco antes de sua morte, em 11 de janeiro desse mesmo ano.



PINIÃO
Samba de Augusto Calheiros e Luperce Miranda
Gravado por Augusto Calheiros
Acompanhamento dos Turunas da Mauricéia
Disco Odeon 10.067-A, matriz 1322
Lançado em novembro de 1927



SOMBRAS DO PASSADO
Canção de Ernesto dos Santos (Donga)
Gravada por Augusto Calheiros
Disco Parlophon 13.333-A, matriz 131148
Lançado em 1931



REVENDO O PASSADO
Valsa de Freire Jr.
Gravada por Augusto Calheiros
Acompanhamento de Conjunto
Disco Odeon 11.021-A, matriz 4662-1
Gravado em 30 de maio de 1933 e lançado em agosto



MOCAMBO DA SERRA
Canção de J. Aymberê e J. L. Calazans (Jararaca)
Gravada por Augusto Calheiros
Acompanhamento da Orquestra Copacabana
Disco Odeon 11.110-A, matriz 4782
Gravado em 20 de fevereiro de 1934 e lançado em abril



RESTOS DE VENTURA
Valsa Canção de Gastão Lamounier e Mário Rossi
Gravada por Augusto Calheiros
Acompanhamento da orquestra Copacabana
Disco Odeon 11.599-A, matriz 5785
Gravado em 27 de março de 1938 e lançado em maio




AVE MARIA

Valsa de Erotides Campos e Jonas Neves
Gravada por Augusto Calheiros
Acompanhamento de Antenógenes Silva ao Acordeon, Rogério e Laurindo
Disco Odeon 11.775-A, matriz 6188
Gravado em 30 de agosto de 1939 e lançado em outubro




JOÃO PETRA DE BARROS

João Petra de Barros
http://memoria.bn.br/


João Petra de Barros nasceu no Rio de Janeiro, em 23 de junho de 1914. Seu irmão, Mário Petra de Barros, também seria cantor, inclusive os dois formaram uma dupla por um período.

João começou a cantar em 1932, na Rádio Philips, no Programa Casé, fazendo logo sucesso, pois tinha um timbre de voz parecido com o de Francisco Alves, o mais popular cantor da época.

Ao atuar na Rádio Mayrink Veiga, recebeu do locutor César Ladeira o pseudônimo de A Voz de Dezoito Quilates.

Gravou seu primeiro disco em 1932, coincidindo com seu primeiro sucesso. O disco Odeon trazia no lado A o samba de Lauro dos Santos, Quero Falar com Você, e no lado B, o samba de Noel Rosa, Até Amanhã, que seria um dos grandes sucessos no carnaval de 1933. Em 1934, mais uma música vitoriosa, também de Noel Rosa em parceria com Vadico (Osvaldo Gogliano), o célebre samba Feitiço da Vila, que exaltava o bairro de Noel, Vila Isabel.

João Petra de Barros lançou vários sucessos ao longo de sua carreira, em gêneros como samba, marcha, fox, canção e valsa. Gravou ao lado de Aurora Miranda, Castro Barbosa, entre outros colegas.

Em meados da década de 1940, ainda em destaque, sua carreira foi interrompida por um acidente. Quando estava em um bonde, o mesmo foi colhido por um caminhão, tendo João fraturado a perna. Foi necessário fazer a amputação do membro ferido, o que lhe causou uma forte depressão. Ele não queria aparecer em público, pois não queria que as pessoas tivessem pena dele. Trancado em casa, abandonou a carreira. Alguns desgostos pessoais aumentaram seu tormento e ele tentou o suicídio por três vezes, sendo salvo. Ao que parece, segundo informações do jornal A Noite (que o já considerava um cantor da velha guarda do rádio), de 13 de janeiro de 1948, ele conseguiu dar fim à sua vida na quarta tentativa. Era um domingo, 11 de janeiro de 1948.



ATÉ AMANHÃ
Samba de Noel Rosa
Gravado por João Petra de Barros
Acompanhamento de Gente Boa
Disco Odeon 10.950-B, matriz 4528
Gravado em 19 de outubro de 1932 e lançado em janeiro e fevereiro de 1933



CANTOR DO RÁDIO
Fox Canção de Custódio Mesquita e Paulo Roberto
Gravado por João Petra de Barros
Acompanhamento da Orquestra Odeon
Disco Odeon 11.056-A, matriz 4713
Gravado em 17 de agosto de 1933 e lançado em setembro




FEITIÇO DA VILA

Samba de Noel Rosa e Osvaldo Gogliano (Vadico)
Gravado por João Petra de Barros
Disco Odeon 11.175-A, matriz 4938
Gravado em 22 de outubro de 1934 e lançado em dezembro




FLOR DO LODO

Fox Trot de Guilherme A. Pereira
Gravado por João Petra de Barros
Acompanhamento de Orquestra
Disco Victor 34.615-A, matriz 33383-1
Gravado em 16 de abril de 1940 e lançado em junho



ÚLTIMA INSPIRAÇÃO
Valsa de Peterpan
Gravada por João Petra de Barros
Acompanhamento de Orquestra
Disco Victor 34.615-B, matriz 33382-1
Gravado em 16 de abril de 1940 e lançado em junho



ÚLTIMO SONHO
Valsa de Afonso Teixeira e Ari Monteiro
Gravada por João Petra de Barros
Acompanhamento de Luís Americano e Seu Regional
Disco Victor 34.942-A, matriz S-052515
Gravado em 12 de maio de 1942 e lançado em julho




HENRICÃO

Henricão
http://memoria.bn.br/


Henrique Felipe da Costa nasceu em 11 de janeiro de 1908 na cidade de Itapira (SP), falecendo no Rio de Janeiro (RJ), em 11 de junho de 1984.
 Foi cantor e compositor, destacando-se com o clássico Casinha da Marambaia, em parceria com Rubens Campos, gravada por Carmen Costa. Gravou sozinho e ao lado de Carmen Costa. Compôs ao lado de conhecidos compositores, sendo ele também considerado um dos grandes artistas de nossa música nos anos 40.



PRA QUE TANTO CIÚME?

Samba de Bucy Moreira e Laci Martins
Gravado por Henricão
Acompanhamento de Os Caiçaras
Disco Odeon 11.565-A, matriz 5731
Gravado em 10 de dezembro de 1937 e lançado em fevereiro de 1938



QUAL FOI O MAL QUE TE FIZ?
Samba de Getúlio Marinho e O. Patrício
Gravado por Henricão
Acompanhamento de Os Caiçaras
Disco Odeon 11.565-B, matriz 5732
Gravado em 10 de dezembro de 1937 e lançado em fevereiro de 1938



ONDE ESTÁ O DINHEIRO?
Samba de Henricão
Gravado por Henricão e Carmen Costa
Acompanhamento de Laurindo e Garoto
Disco Odeon 11.749-A, matriz 6105
Gravado em 24 de maio de 1939 e lançado em agosto de 1939



NINGUÉM PRECISA SABER
Samba de Eloy de Assis, Jorge Vieira e Carlos de Araújo
Gravado por Henricão
Acompanhamento da Escola de Samba Praça 11
Disco RCA Victor P-208-B, matriz R-241
Gravado em 30 de dezembro de 1941 e lançado em dezembro de 1941



DEVER DE UM BRASILEIRO
Samba de Henricão e Rubens Campos
Gravado por Henricão
Acompanhamento de Regional
Disco Victor 80-0095-A, matriz 052762-1
Gravado em 04 de maio de 1943 e lançado em julho de 1943



SOU EU
Samba de Henricão e José Alcides
Gravado por Henricão
Acompanhamento de Raul e Seu Conjunto
Disco Continental 15.857-A, matriz 1773-1
Gravado em 01 de novembro de 1947 e lançado em dezembro de 1947





MOZART BICALHO

Mozart Bicalho
Arquivo Nirez


Mozart do Nascimento Cruz Bicalho nasceu em Bom Jesus do Amparo (MG), em 17 de maio de 1891.

Foi violonista, compositor e poeta. Fez sua estreia em disco Odeon a convite do então diretor artístico da gravadora, Eduardo Souto, em agosto de 1929, gravando ao violão, de sua autoria, a valsa Alma de Artista e o cateretê Tuim-Tuim, sendo acompanhado por Henrique Vogeler ao piano. Gravaria ainda em 1930, sendo acompanhado por Glauco Viana e em 1954.

Mesmo sendo pouco conhecido do grande público, é considerado por vários críticos como um dos principais violonistas brasileiros.

Mozart Bicalho faleceu em Minas Gerais, em 11 de janeiro de 1986, aos 94 anos de idade.



ALMA DE ARTISTA
Valsa de Mozart Bicalho
Gravada por Mozart Bicalho ao Violão
Acompanhamento de Henrique Vogeler ao Piano
Disco Odeon 10.421-A, matriz 2595
Laçado em julho de 1929



TUIM-TUIM
Cateretê Mineiro de Mozart Bicalho
Gravado por Mozart Bicalho ao Violão
Acompanhamento de Henrique Vogeler ao Piano
Disco Odeon 10.421-B, matriz 2596
Laçado em julho de 1929



USCA MOLEQUE
Cena de Roça de Mozart Bicalho
Gravada por Mozart Bicalho
Acompanhamento de Violão
Disco Odeon 10.495-A, matriz 2999
Gravado em 27 de setembro de 1929 e lançado em novembro de 1929



FESTA DE ITAMBÉ
Cena de Roça de Mozart Bicalho
Gravada por Mozart Bicalho
Acompanhamento de Violão
Disco Odeon 10.495-B, matriz 3003
Gravado em 27 de setembro de 1929 e lançado em novembro de 1929



ODEON
Passo Dobrado de Mozart Bicalho
Gravado por Mozart Bicalho ao Violão
Acompanhamento de Glauco Viana ao Violão
Disco Odeon 10.585-A, matriz 3115
Lançado em abril de 1930



GOTAS DE LÁGRIMAS
Valsa de Mozart Bicalho
Gravada por Mozart Bicalho ao Violão
Acompanhamento de Glauco Viana ao Violão
Disco Odeon 10.585-B, matriz 3116
Lançado em abril de 1930





LUCIANO PERRONE

Luciano Perrone
http://memoria.bn.br/


Luciano Perrone nasceu no Rio de Janeiro em 11 de janeiro (algumas fontes indicam o dia 08 de janeiro) de 1908. Foi cantor, baterista, percussionista e compositor. Seu pai era Luís Perrone, chefe de bandas militares e diretor de várias orquestras do Rio de Janeiro, no período de 1908 a 1918. Sua mãe era Noêmia Franklin Batista Perrone, dedicada à música e pianista.

Luciano Perrone, em criança, integrou o coro na Schola Cantorum Santa Cecília, no Rio de Janeiro, sendo solista e chegando a acompanhar o famoso tenor Enrico Caruso na ópera Lodoletta, de Pietro Mascagni.

Em 1922, ele faria a dublagem de Jackie Coogan no filme O Garoto (The Kid), de Charles Chaplin.

Com Simon Bountman, desde 1927, já fazia suas primeiras gravações.

Como cantor, gravaria alguns discos como na Columbia, em 1932, interpretando o samba Padeço por Ti.

Tornou-se o mais famoso baterista do Brasil, atuando com vários maestros: Sílvio Sousa, Chameck, Rafael Romano, Eduardo Andreossi, José Rodrigues e Pichman, apresentando-se em cassinos, hotéis e cinemas.

Luciano Perrone faleceu em 13 de fevereiro de 2001, aos 93 anos de idade.
  


PADEÇO POR TI
Samba de Osvaldo Lira e Otaviano Romeiro (Fon-Fon)
Gravado por Luciano Perrone
Acompanhamento da Orquestra Columbia
Disco Columbia 22.109-B, matriz 381202
Lançado em abril de 1932



MEU SABIÁ
Samba de Bonfiglio de Oliveira e Lamartine Babo
Gravado por Luciano Perrone
Acompanhamento da Orquestra Columbia
Disco Columbia 22.157-B, matriz 381306
Lançado em dezembro de 1932



UM BEIJO SÓ
Samba de Bonfiglio de Oliveira e Cândido das Neves (Índio)
Gravado por Luciano Perrone
Acompanhamento da Orquestra Columbia
Disco Columbia 22.157-B, matriz 381333
Lançado em dezembro de 1932



O VENDEDOR DE PIPOCA
Rumba de Bonfiglio de Oliveira e Alberto Ribeiro
Gravada por Luciano Perrone e Alberto Ribeiro
Acompanhamento de Orquestra Típica Cubana
Disco Columbia 22.159-B, matriz 381334
Lançado em dezembro de 1932



A VOZ DO MORRO
Samba de Zé Kéti
Gravado por Luciano Perrone e Sua Orquestra
Disco Continental 17.232-A, matriz C-3754
Gravado em 02 de janeiro de 1956 e lançado em fevereiro/março de 1956



SORRIU PRA MIM
Samba de Garoto e Luís Cláudio
Gravado por Luciano Perrone e Sua Orquestra
Disco Continental 17.232-B, matriz C-3755
Gravado em 02 de janeiro de 1956 e lançado em fevereiro/março de 1956




ARMANDO PERCIVAL


Virgílio de Oliveira Castilho nasceu no Rio de Janeiro em 07 de janeiro de 1886. Era compositor e advogado, tendo nascido no bairro da Glória.
Algumas de suas músicas fizeram sucesso, como O Pinhal, gravado por Vicente Celestino e Oscar Gonçalves, e Trovas Roceiras, gravada por Patrício Texeira.

Armando Percival faleceu no Rio de Janeiro em 11 de janeiro de 1969, quatro dias após completar 83 anos de idade.


O PINHAL
Canção de Armando Percival e Maria da Cunha
Gravada por Vicente Celestino
Disco Odeon Record 122.260
Lançado em 1922



O PINHAL
Canção de Armando Percival e Maria da Cunha
Gravada por Oscar Gonçalves
Acompanhamento da Orquestra Rádio Central
Disco Odeon 10.401-A, matriz 2516-I
Lançado em março de 1929



TROVAS ROCEIRAS
Canção Sertaneja de Armando Percival e Raul Pederneiras
Gravada por Patrício Teixeira
Acompanhamento de dois Violões
Disco Parlophon 12.821-B, matriz 1688
Lançado em setembro de 1928











Agradecimento ao Arquivo Nirez










Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...