Páginas

Translate

terça-feira, 31 de março de 2020

ARACY CÔRTES – 116 ANOS

ARACY CÔRTES
A Noite Illustrada, 1930
Arquivo Nirez


 
 
Há 116 anos nascia a cantora e atriz ARACY CÔRTES.


Nascida Zilda de Carvalho Espíndola, em 31 de março de 1904, no Rio de Janeiro, ela se tornaria em uma das mais importantes intérpretes de nossa música em todos os tempos.

Com o nome artístico de Aracy Côrtes, a jovem Zilda conquistou o Teatro de Revista ao longo dos anos 20, do século passado, se tornando uma de suas Rainhas mais queridas. Lançando compositores do quilate de Noel Rosa, Ary Barroso e Assis Valente, era ela quem interpretava no teatro, em primeira mão, as músicas que seriam sucesso de público.




Perfil de Aracy Côrtes no cartaz da peça Pátria Amada
A Noite 02 de Janeiro de 1930 p.05
http://memoria.bn.br/

Começou gravando discos ainda na Casa Edison, no processo mecânico, em 1925, sendo acompanhada pelo Jazz Band Sul Americano de Romeu Silva e apresentada pelo cantor Fernando como “A Graciosa Estrela Brasileira Aracy Côrtes”. Em sua estreia lançou os sucessos A Casinha, de Pedro de Sá Pereira e Luiz Peixoto, Petropolitana, de Adalberto de Carvalho, e Serenata de Toselli, de E.  Toselli.

Ao voltar a gravar, em 1928, já no processo elétrico, Aracy Côrtes emplacou novos sucessos, como Jura, de Sinhô (José Barbosa da Silva) e Yayá (Linda Flor), de Henrique Vogeler, Luiz Peixoto e Marques Porto, que ficaria conhecida como Ai, Yoyô, sendo nosso primeiro samba canção.


ARACY CÔRTES
A Noite Illustrada, 1934
Arquivo Nirez

Embora fazendo sucesso no disco, rádio, em excursões e, até rápidas passagens pelo cinema, seria nos palcos que Aracy Côrtes mais se destacaria ao longo das décadas de 20, 30 e 40. No começo da década de 1950, começou a aparecer menos em revistas. Retornou, triunfante, em 1965 no show Rosa de Ouro, produzido por Hermínio Bello de Carvalho, ao lado de Paulinho da Viola, Elton Medeiros, da iniciante Clementina de Jesus, entre outros bambas.

Por ocasião de seus 80 anos de idade, em 1984, participou de um espetáculo ao lado de sua herdeira artística, a cantora Marília Barbosa, onde cantaram vários sucessos da carreira de Aracy.

Aracy Côrtes faleceria em 08 de janeiro de 1985, aos 80 anos de idade.


ARACY CÔRTES
O Cruzeiro, 1935
http://memoria.bn.br/
Aracy Côrtes foi, e continua sendo, um dos nomes de grande importância de nossa música popular. Ela foi a primeira cantora popular a se destacar ainda em meados da década de 1920, sendo considerada a Rainha do Samba, abrindo espaço para outras cantoras que também reinariam nesse gênero. Relembrar Aracy Côrtes é conhecer e reviver uma época da música popular no Brasil onde os versos e a melodia se casavam de forma harmônica e perfeita, é poder entrar em contato com uma época onde era possível se sonhar ao som de belas músicas de nosso cancioneiro.


Caricatura de Aracy Côrtes feita por J. Carlos em 1930
A Noite Illustrada, 1930
Arquivo Nirez



RECORTES SOBRE ARACY CÔRTES


A Noite Illustrada, 1930
Arquivo Nirez


“Aracy Côrtes é artista dos rythmos dos nossos antepassados. Quando ella dansa, lembra um pouco as festas das aldeias indigenas e quando canta evoca, a um tempo, a saudade da patria do portuguez que empenhou seu esforço na civilisação de nossas terras, e do africano, o primeiro cultivador dos nossos campos. As manifestações artisticas de um povo encerram alguma coisa de sua historia.
Aracy Côrtes, a rainha do samba e do maxixe, é expressivamente brasileira. Encarna um dos nossos typos mais caracteristicos  - a mulata.
A canção regional brasileira, hoje tão apreciada, sempre teve em Aracy Côrtes a mais dedicada cultura e uma das suas melhores interpretes”.



Fon Fon, 1930
http://memoria.bn.br/


Aracy Côrtes, Yolanda Costa (Rainha da Mi-Carême) e Ítala Ferreira
A Noite Illustrada, 1931
Arquivo Nirez


Aracy Côrtes (encostada ao carro) em Portugal.
A Noite Illustrada, 1933
Arquivo Nirez


Aracy Côrtes, 1935
Carioca, 1935
Arquivo Nirez


Aracy Côrtes
A Noite Illustrada, 1935
http://memoria.bn.br/



Aracy Côrtes em sua casa
Carioca, 1936
Arquivo Nirez


Aracy Côrtes eleita Rainha das Atrizes em 1939.
A Noite Illustrada, 1940
http://memoria.bn.br/



ARACY CÔRTES
Carioca, anos 30
Arquivo Nirez




GRAVAÇÕES DE ARACY CÔRTES




SIM, MAS DESENCOSTA

Selo de Sim, Mas Desencosta
Arquivo Gilberto Inácio Gonçalves

Samba Canção de Cândido das Neves (Índio)
Gravado por Aracy Côrtes
Disco Odeon 10.664-A, matriz 3721
Lançado em agosto de 1930



NO ALTO DA SERRA

Selo de No Alto da Serra
Arquivo Gilberto Inácio Gonçalves

Samba de José Ferreira Lixa
Gravado por Aracy Côrtes
Disco Odeon 10.664-B, matriz 3722
Lançado em agosto de 1930



SORRIS

Selo de Sorrir
Arquivo Gilberto Inácio Gonçalves

Samba Canção de Jota Soares
Gravado por Aracy Côrtes
Disco Brunswick 10.148-A, matriz 596
Lançado em 1931



DENTINHO DE OURO

Selo de Dentinho de Ouro
Arquivo Gilberto Inácio Gonçalves

Samba Canção de Henrique Vogeler e Horácio de Campos
Gravado por Aracy Côrtes
Acompanhamento da Orquestra Brunswick
Disco Brunswick 10.148-B, matriz 595
Lançado em 1931



À LA ARACY

Selo de À La Aracy
Arquivo Marcelo Bonavides

Samba de Júlio Cristobal
Gravado por Aracy Cõrtes
Acompanhamento de Seu Grupo
Disco Columbia 22.024-B, matriz 381016
Lançado em maio de 1931



REMINISCÊNCIAS

Selo de Reminiscências
Arquivo Marcelo Bonavides

Samba de Jota Soares e Carlos Medina
Gravado por Aracy Côrtes
Acompanhamento de Orquestra
Disco Columbia 22.024-B, matriz 381011
Lançado em maio de 1931




TEU DESPREZO

Selo de Teu Desprezo
Arquivo Gilberto Inácio Gonçalves

Samba de Arthur Costa
Gravado por Aracy Côrtes
Acompanhamento de Regional
Disco Columbia 22.035-B, matriz 381017-2
Lançado em julho de 1931



A MINHA DOR

Selo de A Minha Dor
Arquivo Gilberto Inácio Gonçalves

Samba de Oscar Cardona
Gravado por Aracy Côrtes
Acompanhamento da Orquestra de Concertos Columbia
Disco Columbia 22.127-B, matriz 381263-3
Lançado em junho de 1932



MORENO FACEIRO
Samba de Custódio Mesquita
Gravado por Aracy Côrtes
Acompanhamento da Orquestra Columbia
Disco Columbia 22.153-B, matriz 381325
Lançado em dezembro de 1932



TENHO VONTADE

Selo de Tenho Vontade
Arquivo Gilberto Inácio Gonçalves

Samba de Guilherme Pereira
Gravado por Aracy Côrtes
Acompanhamento da Orquestra Columbia
Disco Columbia 22.203-B, matriz 381419
Lançado em 1933



QUANDO MEU AMOR PARTIU
Samba de Benedito Lacerda
Gravado por Aracy Côrtes
Acompanhamento da Orquestra Odeon
Disco Odeon 11.144-A, matriz 4879
Gravado em 17 de julho de 1934 e lançado em agosto de 1934



FLOR DO LODO

Selo de Flor do Lodo
Arquivo Gilberto Inácio Gonçalves

Samba Canção de Ari Mesquita
Gravado por Aracy Côrtes
Acompanhamento de Orquestra
Disco Odeon 13.398-A, matriz 9546
Gravado em 23 de dezembro de 1952 e lançado em março de 1953



HINO À VIDA

Selo de Hino à Vida
Arquivo Gilberto Inácio Gonçalves

Samba de Vicente Paiva, Max Nunes e J. Maia
Gravado por Aracy Côrtes
Acompanhamento de Orquestra
Disco Odeon 13.398-B, matriz 9547
Gravado em 23 de dezembro de 1952 e lançado em março de 1953



DENGUINHO

Selo de Denguinho
Arquivo Gilberto Inácio Gonçalves

Samba de Aracy Côrtes e César Cruz
Gravado por Aracy Côrtes
Acompanhamento de Orquestra
Disco Odeon 13.535-B, matriz 9849
Gravado em 21 de agosto de 1953 e lançado em novembro de 1953



AS CADEIRAS DE YAYÁ

Selo de As Cadeiras de Yayá
Arquivo Gilberto Inácio Gonçalves

Samba de Nelson Castro e Armando Maciel
Gravado por Aracy Côrtes
Acompanhamento de Orquestra
Disco Odeon 13.693-A, matriz RIO-10167
Gravado em 11 de junho de 1954 e lançado em agosto de 1954














Agradecimento a Dijalma Cândido, Gilberto Inácio Gonçalves e ao Arquivo Nirez










Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...