Translate

quarta-feira, 1 de abril de 2020

EFEMÉRIDES DE 01 DE ABRIL: MELLO MORAES FILHO, ABDON MILANEZ, MOREIRA DA SILVA E CLAUDIONOR CRUZ




A data de hoje, 01 de abril, marca o nascimento e falecimento dos seguintes artistas: MELLO MORAES FILHO, ABDON MILANEZ, MOREIRA DA SILVA e CLAUDIONOR CRUZ.





MELLO MORAES FILHO
(1844 – 1919)

MELLO MORAES FILHO
Arquivo Marcelo Bonavides




Alexandre José de Mello Moraes Filho nasceu em Salvador (BA), em 23 de fevereiro de 1844.

Foi médico, folclorista, etnógrafo, poeta, prosador e historiógrafo brasileiro.

Era tio avô do poeta Vinícius de Moraes.

Publicou vários livros sobre costumes populares brasileiros, modinhas, lundus e cançonetas.

Algumas de suas poesias foram musicadas, como O Trovador do Sertão, musicada por Francisco Braga, e gravada em 1928 por Lídia de Albuquerque Salgado.

Sua poesia mais conhecida é Bem Te Vi, que recebeu melodia de Miguel Emídio Pestana, sendo gravada desde 1902, com grande sucesso. Entre os cantores que registraram Bem Te Vi em cera estão: Bahiano, Luiz de Oliveira, Barlatt James, Mário Pinheiro, Vicente Celestino e Francisco Alves.

Mello Moraes Filho faleceu no Rio de Janeiro em 01 de abril de 1919, aos 75 anos de idade.


SEMPRE VIVA
Modinha de Mello Moraes Filho
Gravada por Bahiano
Disco Odeon Record 120.149, matriz XR-1696
Lançado em 1913




O TROVADOR DO SERTÃO
Canção de Francisco Braga e Mello Moraes Filho
Gravada por Lídia de Albuquerque Salgado
Acompanhamento da Orquestra Rádio Central
Disco Odeon 10.205-A, matriz 1696
Lançado em 1928




NÓS DOIS A SONHAR
Fox de De Simoens da Silva (Bororó) e Mello Moraes Filho
Gravado por Newton Teixeira
Acompanhamento da Orquestra Odeon, sob a Direção de Fon Fon
Disco Odeon 12.145-B, matriz 6914
Gravado em 05 de março de 1942 e lançado em maio de 1942




O BEM TE VI


Selo de O Bem Te Vi
https://discografiabrasileira.com.br/

Canção de Mello Moraes Filho e Miguel Emídio Pestana
Gravada por Mário Pinheiro
Acompanhamento de Violão
Disco Odeon 108.378, matriz XR-952
Lançado em 1909




BEM TE VI
Modinha de Miguel Emídio Pestana e Mello Moraes Filho
Gravada por Francisco Alves
Acompanhamento de Tute ao Violão e Luperce Miranda ao Bandolim
Disco Odeon 10.709-B, matriz 3926
Gravado em 28 de agosto de 1930 e lançado em novembro de 1930





ABDON MILANEZ
(1858 – 1927)



ABDON MILANEZ
Fon Fon, 1927
http://memoria.bn.br/


Abdon Felinto Milanez nasceu em Areias (PB), em 10 de agosto de 1858.

Foi engenheiro civil, compositor, pianista e teatrólogo.

Abdon Milanez descendia de uma família ilustre, de grande prestígio político. Foi morar no Rio de Janeiro ainda muito jovem, formando-se na Escola Politécnica em 1880, como engenheiro civil. Porém, durante sua fase de estudante, ele compôs polcas e valsas, que foram publicadas pela Casa Bevilacqua.

Sua carreira artística se iniciou como compositor teatral. Escreveu operetas e revistas de muito sucesso nos teatros do Rio de Janeiro, como o Sant´Ana, Lucinda, Apolo, Phoenix, entre outros.

Sua primeira opereta, A Donzela Teodora, com libreto de Arthur Azevedo, estreou em março de 1886, no Theatro Sant´Ana. Entre os sucessos que musicou, está a peça O Bico do Papagaio, cuja música O Trio dos Tabeliães, de sua autoria, seria um êxito, gravado em 1903 por Senhorita Consuelo, Braga e Bahiano, e posteriormente por orquestras.

Entre suas músicas estão o Hino da Abolição e a Marcha da Imprensa.



Fon Fon, 1920
http://memoria.bn.br/

Em 1916, Abdon Milanez substituiu o compositor Alberto Nepomuceno na direção da Escola Nacional de Música, ficando até 1922, quando se aposentou.

Abdon Milanez faleceu no Rio de Janeiro em 01 de março de 1927, aos 68 anos de idade.

Em 1927, o barítono e ator Roberto Vilmar gravaria o tango canção de Abdon Milanez, Ai!....



O Paiz, Sábado, 02 de abril de 1927, p. 02
http://memoria.bn.br/


Fon Fon, 1927
http://memoria.bn.br/




TRIO DOS TABELIÃES
Tango de Abdon Milanez
Gravado por Senhorita Consuelo, Braga e Bahiano
Acompanhamento de Piano
Disco Zon – O – Phone X-775
Lançado em 1903




MEUS SONHOS
Polca de Abdon Milanez
Gravada pela Banda do Corpo de Bombeiros
Disco Columbia Record 12.133
Lançado em 1910




OS TABELIÃES


Selo de Os Tabeliães
https://discografiabrasileira.com.br/

Tango de Abdon Milanez
Gravado pela Banda da Força Policial
Disco Columbia Record B-75, matriz 11948-1-1
Lançado em 1912




BOUQUET DE VIOLETAS
Valsa de Abdon Milanez
Gravada pela Banda Paulino do Sacramento
Disco Columbia B-260, matriz 12291-1-1
Lançado em 1912




AI

Tango Canção de Abdon Milanez

Gravado por Roberto Vilmar
Disco Odeon 10.117-A, matriz 1438
Lançado em 1928






MOREIRA DA SILVA
(1902 - 2000)


MOREIRA DA SILVA
Arquivo Nirez


Antônio Moreira da Silva nasceu no Rio de Janeiro em 01 de abril de 1902. Era filho de um músico da Polícia Militar, que tocava trombone, e que faleceu quando ele tinha dois anos de idade. Anos depois, precisou deixar a escola para ajudar a mãe a sustentar a casa. Com treze anos de idade já tinha feito vários tipos de trabalho.

Iniciou sua carreira artística ainda nos anos 20, mas só gravaria seu primeiro disco em 1931, contratado pela Odeon, registrando as macumbas Ererê e Rei de Umbanda, ambas de Getúlio Marinho. No início de sua carreira de cantor era conhecido como Antônio Moreira da Silva. Seu primeiro grande sucesso veio em 1932, com o samba Arrasta a Sandália, de Aurélio Gomes e Osvaldo Marques. Seguram-se outros sucessos, como É Batucada, de Caninha e Visconde de Bicoíba, Implorar, de Kid Pepe, Germano Augusto e J. S. Gaspar, Acertei no Milhar, de Wilson Batista e Geraldo Pereira, Amigo Urso, de Henrique Gonçalez, entre outros.

Em 1938, atuou no filme A Varanda dos Rouxinóis, dirigido por Leitão de Barros, em Portugal, do qual também participou a cantora Olga Praguer Coelho.

De acordo com todos os que o conheceram, a imagem de malandro que o caracterizava era apenas um personagem. Na verdade Moreira da Silva era um cidadão trabalhador e cumpridor de seus deveres. Foi um dos grandes cantores de nossa música, tendo uma das carreiras mais longas já conhecidas. Ele faleceria aos 98 anos, em 06 de junho de 2000, no Rio de Janeiro.



ARRASTA A SANDÁLIA
Samba de Osvaldo Vasques (Baiaco) e Aurélio Gomes
Gravado por Moreira da Silva
Acompanhamento de Gente do Morro
Disco Columbia 22.165-B, matriz 381.363-6
Lançado em dezembro de 1932




É BATUCADA
Samba de José Luís de Moraes (Caninha) e Visconde Bicoíba
Gravado por Moreira da Silva
Acompanhamento de Gente do Morro
Disco Columbia 22.194-B, matriz 381438
Lançado em março de 1933




NO MORRO DE SÃO CARLOS - DESTRONADO
Samba de Hervê Cordovil e Orestes Barbosa
Gravado por Moreira da Silva
Acompanhamento do Grupo do Canhoto
Disco Victor 33.711-A, matriz 65780-1
Gravado em 20 de junho de 1933 e lançado em outubro de 1933





IMPLORAR

Samba de Kid Pepe, J. da Silva Gaspar e Germano Augusto
Gravado por Moreira da Silva
Acompanhamento de Pixinguinha e Seu Regional
Disco Columbia 8.114-B, matriz 1057-1
Gravado em 24 de outubro de 1934 e lançado em janeiro de 1935





ACERTEI NO MILHAR

Samba Choro de Wilson Batista e Geraldo Pereira
Gravado por Moreira da Silva
Acompanhamento do Boêmios da Cidade
Disco Odeon 11.883-B, matriz 6332
Gravado em 04 de abril de 1940 e lançado em agosto





AMIGO URSO

Samba de Henrique Gonçalez
Gravado por Moreira da Silva
Acompanhamento de Regional de Garoto
Disco Victor 34.754-B, matriz 52179
Gravado em 12 de abril de 1941 e lançado em junho de 1941






CLAUDIONOR CRUZ
(1910 – 1995)



CLAUDIONOR CRUZ
O Cruzeiro, 1955
http://memoria.bn.br/



Claudionor José da Cruz nasceu em Paraibuna (MG), em 01 de abril de 1910. Seu pai era mestra de banda de Paraibuna e, ainda criança, Claudionor aprendeu música. Anos depois, seria considerado um mestre no violão-tenor.


Claudionor Cruz deu início à vida artística tocando cavaquinho. Pouco depois, ao formar seu regional, passou a tocar violão.


Sua primeira composição gravada foi o samba canção, em parceria com Pedro Caetano, O Tocador de Violão, gravado em 1935 por Augusto Calheiros na Odeon.


Seu primeiro sucesso veio com a valsa Caprichos do Destino, também em parceria com Pedro Caetano, que Orlando Silva gravou na Victor em 1938.


Claudionor Cruz teve suas composições gravadas com sucesso pelas décadas de 1940 e 1950, atuando também com seu Regional na gravadora Continental. Seu Regional foi um dos mais requisitados nos anos 40 e 50 para gravações e nas rádios.

Claudionor Cruz faleceu no Rio de Janeiro em 21 de junho de 1995, aos 85 anos de idade.


O TOCADOR DE VIOLÃO
Samba Canção de Claudionor Cruz e Pedro Caetano
Gravado por Augusto Calheiros
Acompanhamento da Orquestra Copacabana
Disco Odeon 11.249-A, matriz 5054
Gravado em 20 de maio de 1935 e lançado em agosto de 1935



O PRAZER É TODO MEU
Samba Canção de Ataulfo Alves e Claudionor Cruz
Gravado por Orlando Silva
Acompanhamento da Orquestra Victor Brasileira
Disco Victor 34.225-B, matriz 80564-1
Gravado em 30 de julho de 1937 e lançado em novembro de 1937



CAPRICHOS DO DESTINO
Valsa de Claudionor Cruz e Pedro Caetano
Gravada por Orlando Silva
Acompanhamento da Orquestra Victor Brasileira
Disco Victor 34.305-A, matriz 80563-1
Gravado em 30 de julho de 1937 e lançado em março de 1938


SEPULCRO DE UM CORAÇÃO
Canção de Claudionor Cruz e Pedro Caetano
Gravada pelas Irmãs Medina
Acompanhamento de Regional
Disco Odeon 11.709-A, matriz 6014
Gravado em 24 de janeiro de 1939 e lançado em abril de 1939



PAU QUE NASCE TORTO
Samba de Claudionor Cruz
Gravado por Aurora Miranda
Acompanhamento do Conjunto Regional RCA Victor
Disco Victor 34.434-A, matriz 33015-1
Gravado em 14 de março de 1939 e lançado em maio de 1939



ROUBARAM MEU MULATO
Samba Canção de Claudionor Cruz
Gravado por Aurora Miranda
Acompanhamento do Conjunto Regional RCA Victor
Disco Victor 34.434-B, matriz 33016-1
Gravado em 14 de março de 1939 e lançado em maio de 1939















Agradecimento ao Arquivo Nirez









Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...