quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

CHIQUINHA GONZAGA - 84 ANOS DE SAUDADE

CHIQUINHA GONZAGA
lounge.obviousmag.org


Há 84 anos falecia a compositora, regente e pianista CHIQUINHA GONZAGA.

Francisca Hedwiges de Lima Neves Gonzaga nasceu no Rio de Janeiro em 17 de outubro de 1847.

Era filha de Rosa Maria de Lima e José Basileu Neves Gonzaga, que viria a ser marechal de campo.

Vinda de uma tradicional família, Chiquinha Gonzaga começou cedo os estudos de piano, demonstrando talento musical quando, aos onze anos de idade, compôs sua primeira música, a canção natalina Canção dos Pastores. Aos 16 anos de idade foi obrigada pelo pai a se casar com o oficial da marinha mercante, Jacinto Ribeiro do Amaral, oito anos mais velho que ela. O casal teve três filhos: João Gualberto, Maria do Patrocínio e Hilário.

Foi obrigada a acompanhar o marido à Guerra do Paraguai, e após esse episódio o abandona. Seu pai a expulsa de casa e Chiquinha leva consigo o filho mais velho, João Gualberto. Em uma segunda união, com o engenheiro João Batista de Carvalho Júnior, ela teria mais uma filha, Alice, que ficou com o pai quando eles se separaram.

Mulher forte e à frente de seu tempo, Chiquinha Gonzaga se voltou para a música, lecionando piano e tocando em bailes. Em 1977, lançou seu primeiro sucesso, a polca Atraente.

Seu nome foi ficando cada vez mais conhecido no meio musical e cultural do Rio de Janeiro, sendo amiga e acompanhando o trabalho de compositores como Joaquim Callado e Henrique Alves de Mesquita.

Foi pioneira no Brasil em vários aspectos: foi a primeira mulher a compor para o teatro e nossa primeira maestrina.

Em 1885, compôs a partitura da opereta A Côrte na Roça, de Palhares Ribeiro. Se a peça em si não fez sucesso, suas músicas agradaram a crítica e o público.

Compondo vários sucessos para o teatro e partituras musicais, Chiquinha Gonzaga lançaria em 1899 a primeira e mais conhecida marcha de carnaval, Abre Alas, feita especialmente para o rancho carnavalesco Rosas de Ouro, que ensaiava perto de sua casa. Nesse mesmo ano conheceu seu futuro companheiro, João Batista Gonzaga. Na época, ela tinha 52 anos e ele 16 e, por a diferença de idade, apresentavam-se como mãe e filho.

A partir de 1902 a obra de Chiquinha Gonzaga foi gravada em discos. O cantor Bahiano registrou algumas de suas composições, seguido por Senhorita Odette, que também registrou algumas páginas do repertório da maestrina. Outros artistas de prestígio da época, como Pepa Delgado, Mário Pinheiro, Os Geraldos (Nina Teixeira e Geraldo Magalhães) também gravariam seus sucessos, fora um grupo feito em sua homenagem, o Grupo Chiquinha Gonzaga, que gravaria várias de suas composições.


Selo do disco Manhã de Amor, de Chiquinha Gonzaga.
Gravado por Senhorita Odette e lançado em 1903.
Arquivo Nirez


Chiquinha Gonzaga foi dona de uma vida riquíssima em experiências e talento, que ela explorou e exibiu da melhor forma através de suas composições, seja no teatro ou no disco. Morou um período, no final da década de 1900, em Portugal. Porém, em 1912 estava no Brasil musicando a célebre burleta Forrobodó, para o qual compôs o dueto cômico Sá Zeferina que, anos mais tarde, viraria a romântica canção Lua Branca, sucesso até hoje.

Também comporia a música de peças como A Sertaneja, onde Pepa Delgado lançou a belíssima canção homônima, em 1915, sendo gravada em 1932 por Jayme Vogeler.

Chiquinha Gonzaga compôs até por volta de seus 85 anos.
Ela faleceria, aos 87 anos, em pleno Carnaval de 1935, no dia 28 de fevereiro, no Rio de Janeiro.


Outras postagens sobre Chiquinha Gonzaga:

Por ocasião dos 80 anos de seu falecimento, postamos várias informações sobre ela (http://bit.ly/chiquinha80saudade), bem como divulgamos a descoberta de um disco onde a própria compositora se anuncia e executa suas músicas (http://bit.ly/chiquinhavozepiano).

Nesse link http://bit.ly/chiquinha79saudades, você confere os jornais de 01 de março de 1935 que falaram sobre Chiquinha Gonzaga.


Chiquinha Gonzaga interpretada por Senhorita Odette: http://bit.ly/2J5Xsg8

A Côrte na Roça - Opereta de 1885: http://bit.ly/2OYsM5R



Para homenagear essa artista ímpar e de grande importância para nossa cultura, trago trinta gravações de suas obras realizadas entre 1903 e 1932.




BEIJOS
Valsa de Chiquinha Gonzaga com letra de Luiz Murat e Alfredo de Souza
Gravada por Senhorita Odette
Disco Zon – O – Phone X-696
Lançado em 1903




MANHÃ DE AMOR
Balada de Chiquinha Gonzaga com letra de C. C.
Gravada por Senhorita Odette
Disco Zon – O – Phone X-699, matriz X699II
Lançado em 1903




CÔRTE NA ROÇA
Valsa de Chiquinha Gonzaga com letra de Francisco Sodré
Gravada por Senhorita Odette
Disco Zon – O – Phone X-702
Lançado em 1903




POESIA E AMOR
Canção de Chiquinha Gonzaga com letra de Casimiro de Abreu
Gravada por Senhorita Odette
Disco Zon – O – Phone X-705
Lançado em 1903




O ABACATE
Cançoneta de Chiquinha Gonzaga, Tito Martins e Gouveia.
Gravado por Pepa Delgado
Acompanhamento de piano
Disco Odeon Record 10.059, matriz R-379
Lançado em 1904
Da Revista “Cá e Lá”




CAFÉ IDEAL
Maxixe de Chiquinha Gonzaga e letra de Tito Martins, com o refrão da melodia de Oh, sole mio.
Gravado por Pepa Delgado
Acompanhamento de piano
Disco Odeon Record 10.074
Lançado em 1904
De Revista “Cá e Lá”




CORTA JACA
Maxixe de Chiquinha Gonzaga com letra do ator Machado Careca
Gravado por Pepa Delgado e Mário Pinheiro
Acompanhamento de piano
Disco Odeon Record 40.392
Lançado em 1906




RODA YOYÔ
Dueto de Chiquinha Gonzaga e Ernesto de Souza
Gravado pelos Geraldos (Nina Teixeira e Geraldo Magalhães)
Disco Odeon Record 40.496
Lançado em 1906




A BANDOLEIRA
Cançoneta de Chiquinha Gonzaga
Sobre a melodia Machuca, também de Chiquinha Gonzaga
Gravada por Pepa Delgado
Acompanhamento de piano
Disco Odeon Record 40.531
Lançado em 1906




SACY PERERÉ
Dueto com melodia de Chiquinha Gonzaga, o autor dos versos é desconhecido.
Gravado por Os Geraldos
Disco Odeon Record 108.285, matriz XR-845
Gravado em 1906
Obs. Na partitura vem como tango brasileiro.




A BAIANA E O CAPADÓCIO
Dueto de Chiquinha Gonzaga
Gravado pelos Geraldos (Nina Teixeira e Geraldo Magalhães)
Disco Odeon Record 70.040, matriz 70040-4
Lançado em 1907
Obs. Mesma melodia de Yayá Fazenda etc e tal!, com novos versos acrescidos.




DONA ADELAIDE (D´ADELAIDE)
Cançoneta Alegre de Chiquinha Gonzaga e José Patrocínio Filho
Gravada por Mário Pinheiro
Disco Odeon Record 108.185, matriz XR-722
Lançado em 1909




O FADO E A MODINHA
Dueto de Chiquinha Gonzaga
Gravado por Medina de Souza e Olímpio Nogueira
Acompanhamento de Orquestra
Disco Victor Record 98.818
Lançado em 1909




TE AMO
Tango de Chiquinha Gonzaga
Gravado pelo Grupo Chiquinha Gonzaga
Disco Columbia Record 11.824
Lançado em 1910




A BAIANA DOS PASTÉIS
Cançoneta de Chiquinha Gonzaga
Gravada por Risoletta
Disco Columbia 12155
Gravado em 1910





MACHUCA
Cançoneta de Chiquinha Gonzaga com versos de Patrocínio Filho
Gravada por Risoletta
Acompanhamento de piano
Disco Columbia Record 12.193
Lançado em 1910




OS NAMORADOS DA LUA
Serenata de Chiquinha Gonzaga
Gravada por Mário Pinheiro
Disco Victor Record 98.950
Lançado em 1910




MENINA FACEIRA
Tango de Chiquinha Gonzaga
Gravado por Mário Pinheiro
Acompanhamento de violão
Disco Victor Record 98.952
Lançado em 1910




TRIGUEIRA
Fado Canção de Chiquinha Gonzaga
Gravado por Almeida Cruz
Disco Columbia Record B-88
Lançado em 1912




ABRE ALAS
Marcha de Chiquinha Gonzaga com a adaptação para dobrado feita por Santos Bocot
Gravado pela Banda da Casa Edison
Disco Odeon Record 120.174, matriz RX-1723
Lançado em fevereiro de 1913




ATRAENTE
Polca de Chiquinha Gonzaga
Gravada pelo Grupo Chiquinha Gonzaga
Disco Odeon Record 120.918
Lançado em fevereiro de 1914




PLANGENTE
Valsa de Chiquinha Gonzaga
Gravada pelo Grupo Chiquinha Gonzaga
Disco Odeon Record 120.929
Lançado em 1914




BIONE (ADEUS)
Tango de Chiquinha Gonzaga
Gravada pelo Grupo Chiquinha Gonzaga
Disco Odeon 120.930
Lançado em 1914




FALENA
Valsa de Chiquinha Gonzaga
Gravada pelo Grupo Chiquinha Gonzaga
Disco Odeon Record 120.933
Lançado em 1914




LUA BRANCA
Canção de Chiquinha Gonzaga
Gravada por Gastão Formenti
Acompanhamento de J. Otaviano ao piano
Disco Odeon 10.420-A, matriz 2521-I
Gravado em 20 de abril de 1929 e lançado em julho




FOGO FOGUINHO
Samba Canção de Chiquinha Gonzaga e Viriato Correia
Gravado por Helena Pinto de Carvalho
Acompanhamento de Max Cardoso e Arnaldo Pescuma aos violões e coro
Disco Victor 33.325-A, matriz 50371-2
Gravado em 05 de julho de 1930 e lançado em agosto




SOU MORENA
Canção de Chiquinha Gonzaga e Viriato Correia
Gravada por Helena Pinto de Carvalho
Acompanhamento de Orquestra e Coro
Disco Victor 33.325-B, matriz 50369-2
Gravado em 05 de julho de 1930 e lançado em agosto




CHINELINHA DO MEU AMOR
Canção de Chiquinha Gonzaga e Viriato Correia
Gravada por Helena Pinto de Carvalho
Acompanhamento da Orquestra Victor Brasileira
Disco Victor 33.342-A, matriz 50370-1
Gravado em 05 de julho de 1930 e lançado nesse mesmo ano




SÁ ZEFERINA
Cena Cômica de Chiquinha Gonzaga
Gravada por Pinto Filho e Maria Vidal
Acompanhamento de Conjunto
Disco Parlophon 13.199-B, matriz 3695
Gravado em 1930 e lançado em setembro




A SERTANEJA
Canção de Chiquinha Gonzaga e Viriato Correia
Gravada por Jayme Vogeler
Acompanhamento da Orquestra Copacabana
Disco Odeon 10.912-A, matriz 4428
Gravado em 06 de abril de 1932 e lançado nesse mesmo ano











Agradecimento ao Arquivo Nirez










terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

ISAURINHA GARCIA - 96 ANOS





Há 96 anos nascia a cantora ISAURINHA GARCIA.

Trago as gravações que ela realizou na Columbia entre 1941 e 1942.

Obs. Por problemas no site onde compartilho as músicas, fiz o vídeo pelo YouTube.

Em breve, voltaremos a homenagear Isaurinha Garcia.






Músicas:

CHEGA DE TANTO AMOR
Choro de Mário Lago
Gravado por Isaura Garcia
Acompanhamento do Conjunto Regional de Benedito Lacerda
Disco Columbia 55.294-A, matriz 439-1
Gravado em 23 de junho de 1941 e lançado em agosto

PODE SER?
Samba de Marino Pinto e Geraldo Pereira
Gravado por Isaura Garcia
Acompanhamento do Conjunto Regional de Benedito Lacerda
Disco Columbia 55.294-B, matriz 440-2
Gravado em 23 de junho de 1941 e lançado em agosto

A BARATINHA
Marcha de Antônio Almeida
Gravada por Isaura Garcia
Acompanhamento do Grande Conjunto de Benedito Lacerda
Disco Columbia 55.310-A, matriz 469-1
Gravado em 1941 e lançado em dezembro de 1941

APROVEITA BELELÉU
Samba de Marino Pinto e Murilo Caldas
Gravada por Isaura Garcia
Acompanhamento do Grande Conjunto de Benedito Lacerda
Disco Columbia 55.310-B, matriz 468-2
Gravado em 1941 e lançado em dezembro de 1941

EU NÃO SOU PANO DE PRATO
Samba de Mário Lago e Roberto Martins
Gravado por Isaura Garcia
Acompanhamento do Grande Conjunto de Benedito Lacerda
Disco Columbia 55.311-A, matriz 471-1
Gravado em 1941 e lançado em dezembro desse mesmo ano

O TELEFONE ESTÁ CHAMANDO
Samba de Benedito Lacerda e Popeye do Pandeiro
Gravado por Isaura Garcia
Acompanhamento do Grande Conjunto de Benedito Lacerda
Disco Columbia 55.311-B, matriz 470-2
Gravado em 1941 e lançado em dezembro desse mesmo ano






SEM CUÍCA NÃO HÁ SAMBA
Samba de Germano Augusto e João Antônio Peixoto
Gravado por Isaura Garcia
Acompanhamento do Conjunto de Benedito Lacerda
Disco Columbia 55.344-A, matriz 521-1
Gravado em 27 de abril de 1942 e lançado em maio

TELECO TECO
Samba de Marino Pinto e Murilo Caldas
Gravado por Isaura Garcia
Acompanhamento do Conjunto de Benedito Lacerda
Disco Columbia 55.344-B, matriz 520-2
Gravado em 27 de abril de 1942 e lançado em maio

CONSCIÊNCIA
Samba de Herivelto Martins e Príncipe Pretinho
Gravado por Isaura Garcia
Acompanhamento do Conjunto de Benedito Lacerda
Disco Columbia 55.345-A, matriz 522-1
Gravado em 27 de abril de 1942 e lançado em junho de 1942

PARTIDA PRECIPITADA
Samba de Herivelto Martins e Marino Pinto
Gravado por Isaura Garcia
Acompanhamento do Conjunto de Benedito Lacerda
Disco Columbia 55.345-B, matriz 516-1
Gravado em 15 de maio de 1942 e lançado em junho de 1942



Agradecimento ao Arquivo Nirez







sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

JANUÁRIO DE OLIVEIRA - 56 ANOS DE SAUDADE


JANUÁRIO DE OLIVEIRA
Revista Carioca, 1938
Arquivo Nirez


Há 56 anos falecia o cantor, humorista e compositor JANUÁRIO DE OLIVEIRA.

Januário de Oliveira Chirico nasceu no Rio de Janeiro, no bairro de Catumbi, em 24 de março de 1902, porém, consolidou sua carreira em São Paulo.


JANUÁRIO DE OLIVEIRA
Arquivo Nirez

Estreou na Rádio Sociedade, indo depois para a Rádio Clube do Brasil. O compositor Sinhô (José Barbosa da Silva), o levou para São Paulo em 1929, para tomar parte em um espetáculo, no Theatro Municipal dessa cidade, que apoiava a candidatura de Júlio prestes à Presidência da República, promovido pelo Clube da Antropofagia.


JANUÁRIO DE OLIVEIRA
Revista Carioca, 1936
Arquivo Nirez


JANUÁRIO DE OLIVEIRA
Revista Carioca, 1936
Arquivo Nirez


Curiosidade: Nesse evento houve o lançamento do samba de Sinhô, Eu Ouço Falar, abordando Júlio Prestes. 

Em São Paulo, Januário de Oliveira passou a se apresentar, por intermédio de Sinhô, na Rádio Educadora Paulista (hoje Gazeta). Também foi um dos principais artistas contratado pela gravadora Columbia, tendo gravado quase todos os seus discos nessa empresa.


Revista Phono-Arte, 28 de fevereiro de 1930, nº 38.
Arquivo Nirez.


Fon Fon, 1930.
http://memoria.bn.br


Fon Fon, 1930.
http://memoria.bn.br


Revista Phono-Arte, 30 de março de 1930, nº 40.
Arquivo Nirez


Revista Phono-Arte, 15 de março de 1930, nº 39.
Arquivo Nirez

 Em 1938, Januário de Oliveira veio ao Ceará em uma bem sucedida excursão ao lado de Uyara de Goyás e M. G. Barreto. Ele ficou hospedado no célebre Excelsior Hotel, na Praça do Ferreira.



JANUÁRIO DE OLIVEIRA em Fortaleza, 1938.
Arquivo Nirez


Foi um dos pioneiros da gravadora Columbia no Brasil, onde gravou cerca de 59 discos e 103 músicas, no período de 1929 a 1938.

Nos anos 40, ele voltou ao Rio de Janeiro. Fazia humorismo nos Cassinos e na Rádio Nacional e imitava com perfeição todas as vozes de uma opereta: barítono, tenor, soprano, contralto.


Januário de Oliveira, à esquerda, e Horacina Correia, ao centro,
com artistas paulistanos e cariocas na Rádio Farroupilha, de Porto Alegre (RS).
Revista Carioca 1936.
Arquivo Nirez

Estava em São Paulo, novamente, onde pegou o advento da televisão, mas, logo seria apenas empresário artístico, até falecer, em 22 de fevereiro de 1963, em São Paulo, um mês antes de completar 61 anos de idade.

Januário de Oliveira foi um dos grandes intérpretes de nossa música. Hoje, esquecido pela maioria das pessoas e lembrado por poucos que se interessam em descobrir nosso passado musical. Sua discografia é de primeiríssima qualidade, revelando o que de melhor havia em sambas, canções, valsas, no final dos anos 20 e durante os anos 30.

Felizmente, ele seria relembrado pelo selo Revivendo de Curitiba, fundado pelo saudoso pesquisador Leon Barg. Foi através dessa empresa que conheci o trabalho de Januário de Oliveira. Entre as músicas que mais me marcaram estavam Cauhã e Engenho Novo.


PARA O ALBUM DO RADIO-FAN – JANUARIO DE OLIVEIRA
“Januario de Oliveira embora tendo nascido no Rio de Janeiro fez a sua fama no sul do Brasil, onde é um dos cantores mais acatados, agindo no radio, no theatro e nos estudios gravadores. Está actualmente em São Paulo, de volta do Rio Grande do Sul, em cuja Radio Farroupulha esteve durante dois annos. Dedica-se á musica brasileira em geral e nos theatros faz imitações de actores cinematographicos, com grande successo. Já gravou em discos Victor, Columbia e Odeon. Januario, que nasceu em Catumby, arrabalde carioca, foi lançado por Sinhô”.
Revista Carioca, 1938.
Arquivo Nirez


Já homenageamos Januário de Oliveira em outras ocasiões:

JANUÁRIO DE OLIVEIRA Interpreta SINHÔ: http://bit.ly/2Ep9lNg
JANUÁRIO DE OLIVEIRA - 114 ANOS: http://bit.ly/2NkUSoy

JANUÁRIO DE OLIVEIRA - 116 ANOS: http://bit.ly/2IvQdkV


Trago 30 gravações de Januário de Oliveira realizadas entre 1929 e 1936, onde podemos conferir todo o seu talento. 




NOSSA SENHORA DO BRASIL (N. SNRA. DO BRAZIL)
Dueto de J. B. da Silva (Sinhô)
Gravado por Januário de Oliveira e Henrique Chaves
Acompanhamento de Sinhô ao Piano e Pedroso ao Violão
Disco Columbia 5.084-B, matriz 380272
Lançado em setembro de 1929



MINHA BRANCA
Samba de J. B. da Silva (Sinhô)
Gravado por Januário de Oliveira
Acompanhamento do Trio Ghiraldini
Disco Columbia 5.085-B, matriz 380271
Lançado em setembro de 1929



CASTIGO
Samba de José Maria de Abreu
Gravado por Januário de Oliveira
Acompanhamento de Orquestra
Disco Columbia 5.104-B, matriz 380294-1
Lançado em outubro de 1929



A CASA ONDE NASCI
Canção de José Maria de Abreu
Gravada por Januário de Oliveira
Acompanhamento de José Maria de Abreu ao Piano
Disco Columbia 5.123-B, matriz 380337
Lançado em dezembro de 1929



MORRO DO VINTÉM
Samba de Jota Machado
Gravado por Januário de Oliveira e Raquel de Freitas
Acompanhamento do Jazz Arte-Fone
Disco Arte-Fone 4.058-A
Lançado em 1930



O CARREIRO
Canção de Hekel Tavares e Olegário Mariano
Gravada por Januário de Oliveira
Acompanhamento de Hekel e Ghiraldini
Disco Columbia 5.139-B, matriz 380485-1
Lançado em fevereiro de 1930




DANÇA DE CABOCLO
Popular, adaptação de Hekel Tavares
Gravada por Januário de Oliveira
Acompanhamento de Hekel Tavares, Zezinho e Petit
Disco Columbia 5.139-B, matriz 380487-2
Lançado em fevereiro de 1930



OS OINHO DELA
Canção de Hekel Tavares e Josué de Barros
Gravada por Januário de Oliveira
Acompanhamento de Ghiraldini e Hekel Tavares
Disco Columbia 5.140-B, matriz 380483
Lançado em fevereiro de 1930




LAVANDEIRINHA
Canção de Hekel Tavares e Olegário Mariano
Gravada por Januário de Oliveira
Acompanhamento de Ghiraldini e Hekel Tavares
Disco Columbia 5.140-B, matriz 380484-1
Lançado em fevereiro de 1930



ENGENHO NOVO
Popular, adaptação de Hekel Tavares
Gravado por Januário de Oliveira
Acompanhamento de Hekel, Zezinho e Petit
Disco Columbia 5.141-B, matriz 380488-2
Lançado em fevereiro de 1930



TRISTEZA
Samba Canção de Heitor dos Prazeres e João da Gente
Gravado por Januário de Oliveira
Acompanhamento de Gaó, Zezinho e Petit
Disco Columbia 5.182-B, matriz 380605-2
Lançado em março de 1930



CONFESSA
Samba de Francisco Neto
Gravado por Januário de Oliveira
Acompanhamento de Gaó, Jonas, Petit, Zezinho e Grany
Disco Columbia 5.183-B, matriz 380607-1
Lançado em março de 1930



QUEBRA QUEBRA GABIROBA
Marcha de Plínio de Brito
Gravada por Januário de Oliveira, Paraguassú e Jararaca
Acompanhamento Gaó, Jonas, Petit, Zezinho e Grany
Disco Columbia 5.183-B, matriz 380608-2
Lançado em março de 1930




O RETRATO DA MULHER QUE A GENTE GOSTA
Samba de José Francisco de Freitas
Gravado por Januário de Oliveira
Acompanhamento de Gaó, Jonas, Petit, Zezinho, Sutte e Grany
Disco Columbia 5.185-B, matriz 380611
Lançado em março de 1930



BOTA O FEIJÃO NO FOGO
Samba de Lamartine Babo
Gravado por Januário de Oliveira e Jararaca
Acompanhamento de Conjunto
Disco Columbia 5.187-B, matriz 380616
Lançado em março de 1930



MACUMBA EM MANGUEIRA
Samba de Almirante
Gravado por Januário de Oliveira e Jararaca
Acompanhamento de Conjunto
Disco Columbia 5.188-B, matriz 380615
Lançado em março de 1930



SE EU TIVESSE UM FILME FALADO DE VOCÊ
Fox Trot de De Sylva, Brown, Henderson e Décio Abramo
Gravado por Januário de Oliveira e Elsie Houston
Acompanhamento de Gaó, Jonas, Napoleão e Zezinho
Disco Columbia 5.207-B, matriz 380665
Lançado em junho de 1930



VOLTARÁS
Samba Canção de Oscar Cardona
Gravado por Januário de Oliveira
Acompanhamento do Jazz Band Columbia
Disco Columbia 5.210-B, matriz 380663-1
Lançado em junho de 1930



VIVA A PENHA
Samba de J. B. da Silva (Sinhô)
Gravado por Januário de Oliveira
Acompanhamento do Jazz Band Columbia
Disco Columbia 5.212-B, matriz 380679
Lançado em junho de 1930



CAHUÃ
Valsa de J. B. da Silva (Sinhô)
Gravada por Januário de Oliveira
Acompanhamento de Orquestra
Disco Columbia 5.215-B, matriz 380671
Lançado em junho de 1930



ESTÁS ZANGADINHA?
Marcha de Raul C. Morais
Gravada por Januário de Oliveira e Elsie Houston
Acompanhamento do Jazz Band Columbia
Disco Columbia 5.224-B, matriz 380701
Lançado em julho de 1930



SOU DA FANDANGA
Marcha de J. B. da Silva (Sinhô)
Gravada por Januário de Oliveira
Acompanhamento do Jazz Band Columbia
Disco Columbia 5.226-B, matriz 380709
Lançado em julho de 1930



MISS FORTALEZA
Marcha de Pierre Luz e Euclides Silva Novo
Gravada por Januário de Oliveira
Acompanhamento do Jazz Band Columbia
Disco Columbia 5.228-B, matriz 380723-2
Lançado em julho de 1930



BENZINHO
Choro de J. B. da Silva (Sinhô)
Gravado por Januário de Oliveira
Acompanhamento do Jazz Band Columbia
Disco Columbia 5.229-B, matriz 380687
Lançado em julho de 1930



GOSTO DE MACHUCAR
Samba de Negro
Gravado por Januário de Oliveira
Acompanhamento do Jazz Band Columbia
Disco Columbia 7.018-B, matriz 380781
Lançado em setembro de 1930



PROFESSOR DE VIOLÃO
Samba de J. B. da Silva (Sinhô)
Gravado por Januário de Oliveira
Acompanhamento de Regional
Disco Arte-Fone 4.020-A, matriz 4020-A
Lançado em 1932



OH VEM POR DEUS



Canção de André Filho
Gravada por Januário de Oliveira
Acompanhamento da Orquestra Victor Brasileira
Disco Victor 33.773-A, matriz 65707-1
Gravado em 12 de abril de 1933 e lançado em abril de 1934




MEU DESTINO


Valsa de José Maria de Abreu e Carlos Rego Barros de Souza
Gravada por Januário de Oliveira
Acompanhamento da Orquestra Victor Brasileira
Disco Victor 33.919-B, matriz 79728-2
Gravado em 12 de outubro de 1934 e lançado em abril de 1935



  
VÁ CARREGAR PIANO
Samba de Nabor Pires Camargo
Gravado por Januário de Oliveira e Arnaldo Pescuma
Acompanhamento dos Diabos do Céu
Disco Victor 34.036-A, matriz 80096-1
Gravado em 24 de janeiro de 1936 e lançado em fevereiro de 1936






PAULISTINHA QUERIDA
Marcha de Ary Barroso
Gravada por Januário de Oliveira e Arnaldo Pescuma
Acompanhamento dos Diabos do Céu
Disco Victor 34.036-B, matriz 80097-1
Gravado em 24 de janeiro de 1936 e lançado em fevereiro de 1936











Agradecimento ao Arquivo Nirez











Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...