Páginas

Translate

domingo, 5 de abril de 2009

Aracy e as primeiras gravações- Parte 2

O Teatro de Revista tinha em Ottília Amorim um dos grandes nomes da época e, pouco depois, Margarida Max e Lia Binatti. Junto a elas Aracy foi fazendo seu nome e até ser considerada uma de suas Rainhas.

Em breve, seria a figura principal dos palcos da Praça Tiradentes, lançando vários clássicos imortais de nossa MPB em primeira mão e lançando novos compositores como: Ary Barroso, Lamartine Babo, Noel Rosa, Assis Valente...

Segundo a revista Noite Illustrada, de 19 de Outubro de 1938, Aracy era “a decisão da vida de um compositor”.

E, para um iniciante ter uma de suas composições inseridas em algum teatro da Praça Tiradentes já era um grande passo... ter essa música interpretada por Aracy Côrtes era a consagração!

Gravou suas primeiras músicas em 1925, ainda na lendária Casa Edison.
Até 1926 podemos ouvir, na grande maioria dos discos, um locutor anunciando o título da música, o intérprete e algumas informações adicionais.

Em seu primeiro registro sonoro, a jovem cantora recebeu o título de “Graciosa Estrela Brasileira”. Nesse ano, gravou A Casinha (também conhecida como A Casinha da Colina, de Pedro de Sá Pereira e Luís Peixoto), Petropolitana (autor ignorado) e Serenata de Toselli (de E. Toselli).

Volta a gravar no final de 1928. A gravadora era a Parlophon.

Em seu primeiro disco elétrico já trazia um clássico: o samba de Sinhô (José Barbosa da Silva) Jura...! , lançada pela própria Aracy na revista Microlândia, estreada no Teatro Fênix em 28 de Setembro de 1928.

O pesquisador Abel Cardoso Junior informava que Aracy precisou repetir a música sete vezes no primeiro dia da apresentação e, segundo a própria cantora, “Isso deixou Sinhô tão emocionado que ele subiu no palco chorando”.

O disco seguinte seria igualmente histórico e marcaria Aracy pelo resto de sua vida por causa da música do lado A.

Ela gravava pela primeira vez Yayá .

Essa composição já havia sido gravada, com títulos e versos diferentes, por Vicente Celestino (Linda Flôr, com versos de Cândido Costa) e Francisco Alves (Meiga Flôr, com letra de Freire Júnior), sem o sucesso desejado. Nem a competente atriz Dulce de Almeida conseguiu que emplacasse quando lançou, antes de todos, na peça A Verdade ao Meio-Dia, em 1928.

Com novos versos, de Luis Peixoto e Marques Porto, a melodia do maestro Henrique Vogeler entraria para a história não com o nome que Aracy lançou na revista Miss Brasil (Theatro Recreio em 20 de Dezembro de 1928), mas rebatizada pelo público como Ai Yoyô.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...