Páginas

Translate

sexta-feira, 27 de março de 2020

LYDIA CAMPOS, LA REINA DEL TANGO - 117 ANOS

LYDIA CAMPOS
Phono-Arte, 30 de setembro de 1929, nº 28
Arquivo Nirez



Há 117 anos nascia a cantora e compositora LYDIA CAMPOS, La Reina del Tango.

Magdalena Giamarelli de Mejia nasceu em Rosário, Argentina, em 27 de março de 1903. Era filha de Eloisa Giamarelli e Miguel Giamarelli.




Iniciou sua carreira artística na década de 1920, apresentando-se em teatros de Rosário. Em 1925, estava em Buenos Aires e foi escolhida para substituir a vedete principal, Africa Samaniego, em um espetáculo, onde até então, participava sem muito destaque.

No final da década de 1920, por volta de 1927, Lydia Campos passou a morar no Brasil, estreando na Companhia dos artistas Maria Olenewa e Pinto Filho. Aqui, ela participou de peças de Teatro de Revista e também se apresentando como cantora de tangos, obtendo destaque em sua carreira. 


Correio da Manhã, 13 de fevereiro de 1927, p. 22
http://memoria.bn.br/

Correio da Manhã, 15 de fevereiro de 1927, p. 09
http://memoria.bn.br/


Em nosso país, Lydia Campos era considerada a Musa do Tango ou La Reina del Tango.

Ao que parece, na década de 1930, teve sua própria Companhia.


A Esquerda, 04 de dezembro de 1930, p. 04
http://memoria.bn.br/


A Esquerda, 05 de dezembro de 1930, p. 04
http://memoria.bn.br/


A Esquerda, 06 de dezembro de 1930, p. 05
http://memoria.bn.br/

Em 1928 foi contratada pela gravadora Odeon, registrando em cera, acompanhada de piano e violões, a canção Caminito, de J. de Dios Filiberto, e o tango Compadron, de L. N. Visca. Pouco depois, foi para a gravadora Parlophon, gravando acompanhada de piano e violão os tangos Noche de Reyes, de Jorge Curi e Pedro Maffia, que fez sucesso, e Vuelve Mi Negra, de I. M. Rizzuti.

Diario Carioca, 17 de julho de 1928, p. 09
http://memoria.bn.br/

Outros sucessos de sua carreira foram o tango Esta Noche Me Emborracho, de Enrique Santos Discépolo, e o tango canção As Margaridas (El Choclo), de M. Matos Rodriguez. O primeiro tango seria citado por Rachel de Queiroz em seu romance Dora, Doralina.

Continuaria gravando com regularidade, registrando em 1932, Mama Inez, de E. Granet e L. W. Gilbert e o famoso fox canção Maria La O, de Ernesto Lecuona.

Ainda em 1928, Lydia Campos embarcaria para Europa em excursão artística.


Diario Carioca, 01 de agosto de 1928, p. 05
http://memoria.bn.br/

Segundo o Dicionário Ricardo Albin da Música Popular Brasileira, em 1933, Lydia Campos conheceu Bejo Vargas, irmão do então presidente Getúlio Vargas. Com Bejo, Lucy teria tido um romance que durou três anos. O assunto nunca teria chegado ao conhecimento da imprensa, por determinação expressa de Bejo, que teria alugado e, posteriormente dado à Lucy, um chalé na Avenida São Sebastião, no Rio de Janeiro.

Lucy Campos era descrita pela imprensa como “tendo grafa personificada, espírito alegre, criatura viva, corpo digno de uma apoteose final”.





A Esquerda, 28 de abril de 1928, p. 03
http://memoria.bn.br/


Correio da Manhã,
23 de fevereiro de 1930, p. 07
http://memoria.bn.br/

Seria fichada pelo DOPS de Pernambuco em 1937, quando fazia temporada em Recife, no Imperial Cassino.

Nessa época, corria o boato de que quando ela voltava para a Argentina, em excursões, adotava o nome artístico de Mariak de Mendonça, a Soberana da Canção Brasileira, interpretando sambas e marchas do Brasil. A cantora, porém, negava com veemência tais boatos.


LYDIA CAMPOS
Carioca, 1936
Arquivo Nirez

No cinema, Lydia Campos atuou em dois filmes. Em Imitaciones Peligrosas, de 1949, direção de Julio Rossi, e no filme americano O Gaúcho (Way of a Gaucho), de 1950, dirigido por Jacques Tourneur e estrelado por Gene Tierney e Rory Calhoun, Lydia Campos participa interpretando Tia María, seu nome ao que parece, não foi creditado.

Várias cantoras latinas estiveram pelo Brasil durante a década de 1920, algumas estendendo suas carreiras por aqui. Lydia Campos foi uma das mais famosas que por aqui esteve, gravando em importantes empresas e até fazendo dueto em uma gravação com o maior cantor da época, Francisco Alves, e atuando ao lado de outros importantes artistasie. Em suas gravações feitas no Brasil, consta vários sucessos lançados originalmente por Carlos Gardel.


Carioca, 1939
http://memoria.bn.br/



Carioca, 1940
http://memoria.bn.br/


Carioca, 1950
http://memoria.bn.br/

O site O Obscuro Fichário dos Artistas Mundanos traz a ficha de vários artistas dos anos 20, 30,40 que atuaram no Brasil, com informações como nome, sobrenome, data de nascimento.... Sobre Lydia Campos, o site informa ainda que ela “era dotada de traços expressivos que, realçados pela forte maquiagem usada pela artista, lhe conferiam certa tragédia no olhar, condizente com sua personagem de cantora de tango”.

Lydia Campos, segundo o site Dicionário Ricardo Albin da Música Popular Brasileira, teria provavelmente falecido na Argentina em 1990.


LYDIA CAMPOS
A Noite Illustrada, 1934
Arquivo Nirez


LYDIA CAMPOS
Arquivo Humberto Franceschi





Outras informações sobre Lydia Campos



http://obscurofichario.com.br/


Ficha Consular - Frente Fevereiro de 1949 Arquivo Nacional

Ficha Consular - Verso Fevereiro de 1949 Arquivo Nacional


Ficha Consular - Frente Agosto de 1951 Arquivo Nacional
http://obscurofichario.com.br/

Ficha Consular - Verso Agosto de 1951 Arquivo Nacional
http://obscurofichario.com.br/







Gravações de Lydia Campos


NOCHE DE REYES
Tango de Pedro M. Maffia
Gravado por Lydia Campos
Acompanhamento de Piano e Violões
Disco Parlophon 12.807-A, matriz 1701
Lançado em agosto de 1928



VUELVE MI NEGRA
Tango de I. M. Rizzuti
Gravado por Lydia Campos
Acompanhamento de Piano e Violões
Disco Parlophon 12.807-B, matriz 1712
Lançado em agosto de 1928



ESTA NOCHE ME EMBORRACHO
Tango de E. S. Discepolo
Gravado por Lydia Campos
Acompanhamento de Piano, Violino e Violão
Disco Parlophon 12.819-A
Lançado em setembro de 1928



CHE PAPUSA OI!
Tango Canção de M. Mattos Rodriguez
Gravado por Lydia Campos
Acompanhamento de Piano, Violino e Violão
Disco Parlophon 12.819-B
Lançado em setembro de 1928



EL CARRERITO
De R. de Los Hoyos e A. Vaccareza
Gravado por Lydia Campos
Acompanhamento de Piano e Violão
Disco Parlophon 13.009-A
Lançado em agosto de 1929



RIE PAYASO
De V. R. Carmona e E. Falero
Gravado por Lydia Campos
Acompanhamento de Piano e Violão
Disco Parlophon 13.009-B
Lançado em agosto de 1929



LEMBRANÇAS
Fox Trot, arranjo
Gravado por Francisco Alves e Lydia Campos
Acompanhamento de Simão Nacional Orquestra
Disco Parlophon 12.884-A, matriz 2096
Lançado em dezembro de 1928















Agradecimento ao Arquivo Nirez










Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...