sexta-feira, 1 de março de 2019

ELISA COELHO - 110 ANOS


ELISA COELHO
"Para a Phono Arte com admiração, Elisa Coelho.
Agosto - 1930".
Arquivo Nirez


Há 110 anos nascia a cantora ELISA COELHO.

Elisa de Carvalho Coelho nasceu em Uruguaiana (RS), em 01 de março de 1909. Era filha de militar (seu pai foi tenente do exército) e da jornalista e escritora Acy de Carvalho. Sua mãe escrevia para a seção feminina de O Jornal, do Rio de Janeiro.

Elisinha, como também era conhecida, passou a infância e adolescência em Florianópolis. Já no Rio de Janeiro, muitas vezes acompanhando-se ao piano, cantava em reuniões familiares onde compareciam jornalistas e poetas. Em uma dessas reuniões ela recebeu o convite para cantar na Rádio Clube do Brasil, onde agradou de imediato.

Com uma voz meiga e cheia de graciosidade, Elisinha Coelho era, segundo Orestes Barbosa, “Criadora de um cantar todo seu”, estabelecendo-se na música popular brasileira como intérprete de sambas e sambas-canção.


Fon Fon, 1930.
http://memoria.bn.br


Interpretou peças de Hekel Tavares, com que excursionou em 1930 pela Bahia e pelo Nordeste.


ELISA COELHO E HEKEL TAVARES
"Acabam de fazer uma 'tournée' pelo Norte do Brasil. - Elisa Coelho, que os amadores conhecem dos discos Victor, é considerado (sic) por Hekel tavares uma das mais perfeitas interpretes que tem encontrado para suas canções e foi assim que a sympatica artista amadora acompanhou o elegante compositor, com o maior dos successos, em uma série de recitaes pelas principaes capitaes e cidades do Norte. - A photografia nos mostra os dous artistas e nos foi offerecida com um cordeal 'até a volta', quando Hekel e Elisa se aprestavam para iniciar a 'tournée' a que nos referimos"
Phono-Arte, 30 de novembro de 1930, nº 48.
Arquivo Nirez


Elisa Coelho, a artista pernambucana Maria Joanna e Hekel Tavares em Pernambuco.
O Malho, 1934.
http://memoria.bn.br


Gravou seu primeiro disco em 1930, convidada por Josué de Barros, o compositor e violonista baiano que havia descoberto há pouco Carmen Miranda. Elisa Coelho gravou na Victor os sambas de Amélia Brandão Nery (Tia Amélia) A Minha Viola é de Primeira e Capelinha de Melão.


Phono-Arte, 30 de agosto de 1930, nº 46.
Arquivo Nirez


Phono-Arte, 30 de dezembro de 1930, nº 49.
Arquivo Nirez


Careta, 1932 (editado).
http://memoria.bn.br


O Malho, 1930
http://memoria.bn.br


Seu maior sucesso foi o samba canção de Ary Barroso e Lamartine Babo, No Rancho Fundo, gravado na Victor em 1931 e lançado nesse mesmo ano no teatro de revista pela atriz-cantora Margarida Max. Ary Barroso, que além de amigo de Elisinha era seu admirador, a acompanha ao piano, bem como Rogério Guimarães ao violão. Elisa Coelho gravou na íntegra o poema de Lamartine Babo, com melodia de Ary Barroso.

Uma curiosidade: Antes de ser lançado como No Rancho Fundo, a composição se chamava Na Grota Funda e era da autoria de Ary Barroso (melodia) e do desenhista J. Carlos (letra). Foi lançado em 1930 no teatro de revista pela atriz-cantora Aracy Côrtes. Lamartine Babo, que estava na plateia, procurou Ary Barroso e disse que achava a letra muito fraca e que queria fazer novos versos para sua melodia. Assim, surgia No Rancho Fundo, o que fez com que J. Carlos ficasse sem falar com Ary Barroso. Na década de 1990, em um programa de entrevistas comandado por Jô Soares, o cantor Sílvio Caldas contava essa história e ainda cantava alguns versos de Na Grota Funda.


Phono-Arte, 30 de agosto de 1930, nº 46.
Arquivo Nirez

A Noite Illustrada, 13 de janeiro de 1932.
Arquivo Nirez



O Cruzeiro, 1932.
http://memoria.bn.br


Elisa Coelho gravou ao todo trinta músicas, passando pelas gravadoras Victor, Parlophon e Odeon. Gravou acompanhada do célebre Bando de Tangarás, do qual faziam parte Noel Rosa e Almirante. Também gravou com Sílvio Caldas e com os Irmãos Tapajós (Paulo e Haroldo).

Muito amiga de Carmen Miranda, a convidaria para ser madrinha de batismo de seu filho, Luís Felipe, que décadas depois seria o famoso jornalista Goulart de Andrade, apresentador do programa Comando da Madrugada. Aliás, uma das mais belas capas de revistas é a de Carioca nº35, publicada em 20 de junho de 1936, onde Elisa Coelho abraça ternamente seu filho, Luís Felipe.


Carioca nº35, 20 de junho de 1936.
Arquivo Nirez


Elisa Coelho participou do filme Alô, Alô Brasil, de 1935, Atuou bastante no rádio e excursionou duas vezes (em 1935 e 1936) à Argentina e ao Uruguai. No rádio, ela atuaria até o final da década de 1940.


As amigas Elisa Coelho e Carmen Miranda em 1930.
A Noite Illustrada, 04 de junho de 1930.
Arquivo Nirez


Em 1936, Elisinha Coelho participaria da inauguração da Rádio Nacional do Rio de Janeiro.


Celso Guimarães e Elisa Coelho
na inauguração da Rádio Nacional, setembro de 1936.
Elisa Coelho, a magnifica interprete de canções brasileiras,
quando era apresentada por Celso Guimarães,
um dos melhores 'speakers' com que conta actualmente o Rio".
Carioca, 1936.
Arquivo Nirez


Carioca, 1937.
Arquivo Nirez


Em 1938, atuou como atriz e cantora na peça Malibu, de Henrique Pongetti, encenada pela companhia de Raul Roulien.

Também atuou no Cassino da Urca, onde fez duetos com astros internacionais, como Pedro Vargas e Jean Sablon. Nesse mesmo cassino, Elisa Coelho ensinaria a cantora Josephine Baker a cantar em português o samba O que é que a baiana tem?, de Dorival Caymmi.

Anos depois, abandonaria a carreira, passando a morar em Volta Redonda, onde era visitada pela amiga Virgínia Lane, que também morava nesta cidade.

Em Volta Redonda, no ano de 1946, participou ao lado de Pixinguinha, Donga, J. Cascata, Patrício Teixeira e músicos da Velha Guarda em um espetáculo organizado por Almirante.

Ainda a convite de Almirante, em 1956 ela participaria em São Paulo do II festival da Velha Guarda, em um show realizado no Largo da Concórdia.

Sua gravação Batuque, de Ary Barroso, em dupla com Sílvio Caldas, foi relançada em 1956 no LP As Mais Famosas Duplas da Velha Guarda, pela gravadora RCA Camden.


Careta, 1942.
http://memoria.bn.br


Em 1989, o selo Revivendo, de Leon Barg, lançaria o LP No Rancho Fundo, onde traria gravações de Jesy Barbosa, Sílvio Caldas, Breno Ferreira e Elisa Coelho. Nesse disco, ela teria relançadas as músicas A Minha Viola é de Primeira, de Amélia Brandão Nery (Tia Amélia), No Rancho Fundo e Palmeira Triste, ambas de Ary Barroso e Lamartine Babo. A Revivendo relançaria, em outras ocasiões, mais músicas de Elisinha Coelho.

Foi através desse LP que fiquei conhecendo o trabalho de Elisa Coelho. Anos depois, consegui seu telefone e tive a satisfação de desfrutar de várias conversas que duravam bastante, onde eu podia ter o prazer da companhia de Elisinha Coelho que contava histórias e cantava para mim, sempre muito atenciosa e simpática. Guardo com carinho esses momentos com minha querida amiga.


ELISA COELHO
"Elizinha Coelho, cujo ultimo recital no Cassino, constituiu brilhante triunpho, é uma flor de authentico matiz tropical. Com uma voz crystalina, emanação sonora da nossa propria natureza, e uma espiritualidade perfumada da mais genuina ispiração brasileira, pelo instrumento da sua graça individual a nossa canção attinge o maximo de formosura e suggestão emotiva".
A Noite Illustrada, 02 de dezembro de 1931.
Arquivo Nirez


Elisa Coelho foi uma de nossas mais importantes cantoras da década de 1930, com um repertório rico e inspirado, aliado à sua interpretação romântica e dolente. Trago dezessete de suas gravações realizadas na Victor e Parlophon, entre 1930 e 1932, incluindo o clássico No Rancho Fundo em sua gravação original de 1931.




CAPELINHA DE MELÃO
Samba de Amélia Brandão Nery
Gravado por Elisa Coelho
Acompanhamento de Violões
Disco Victor 33.322-A, matriz 50341-1
Gravado em 21 de junho de 1930 e lançado em dezembro de 1930




A MINHA VIOLA É DE PRIMEIRA
Samba de Amélia Brandão Nery
Gravado por Elisa Coelho
Acompanhamento de Violões
Disco Victor 33.322-B, matriz 50342-2
Gravado em 21 de junho de 1930 e lançado em dezembro de 1930



YAYAZINHA


Samba de Plínio Brito
Gravado por Elisa Coelho
Acompanhamento de Rogério Guimarães e Jacy Pereira aos Violões
Disco Victor 33.338-A, matriz 50309-2
Gravado em 11 de junho de 1930 e lançado em fevereiro de 1931



ESCRITA ERRADA


Samba de Joubert de Carvalho
Gravado por Elisa Coelho
Acompanhamento de Rogério Guimarães e Jacy Pereira aos Violões
Disco Victor 33.338-B, matriz 50307-2
Gravado em 11 de junho de 1930 e lançado em fevereiro de 1931



NO RANCHO FUNDO


Samba Canção de Ary Barroso e Lamartine Babo
Gravado por Elisa Coelho
Acompanhamento de Piano e Violões
Disco Victor 33.444-A, matriz 65164-1
Gravado em 15 de junho de 1931 e lançado em agosto de 1931



CIÚME DE CABOCA


Toada de Josué de Barros
Gravada por Acompanhamento de Rogério Guimarães e Jacy Pereira aos Violões
Disco Victor 33.444-B, matriz 50308-1
Gravado em 11 de junho de 1930 e lançado em agosto de 1931



NEGA BAIANA
Samba de Ary Barroso e Olegário Mariano
Gravado por Elisa Coelho
Acompanhamento do Bando de Tangarás
Disco Parlophon 13.321-A, matriz 131154-3
Lançado em julho de 1931



O QUE FOI QUE EU FIZ?
Fox Blues Canção de Augusto Vasseur e Luís Peixoto
Gravado por Elisa Coelho
Acompanhamento do Bando de Tangarás
Disco Parlophon 13.321-B, matriz 131153-3
Lançado em julho de 1931



MEU HOME
Samba de J. Aymberê
Gravado por Elisa Coelho
Acompanhamento da Orquestra Guanabara
Disco Parlophon 13.346-B, matriz 131210
Lançado em 1931



BATUQUE


Batuque de Ary Barroso
Gravado por Elisa Coelho e Sílvio Caldas
Acompanhamento de Orquestra e Coro do Teatro Recreio
Disco Victor 33.463-A, matriz 65192-3
Gravado em 09 de julho de 1931 e lançado em setembro de 1931



TERRA DE YAYÁ


Samba de Ary Barroso
Gravado por Elisa Coelho e Sílvio Caldas
Acompanhamento de Orquestra
Disco Victor 33.463-B, matriz 65194-3
Gravado em 14 de julho de 1931 e lançado em setembro de 1931



TENHO SAUDADE


Samba Canção de Ary Barroso
Gravado por Elisa Coelho
Acompanhamento do Grupo do Canhoto
Disco Victor 33.480-A, matriz 65195-2
Gravado em 14 de julho de 1931 e lançado em novembro de 1931



É BAMBA


Samba de Ary Barroso e Luís Peixoto
Gravado por Elisa Coelho
Acompanhamento do Grupo do Canhoto
Disco Victor 33.480-B, matriz 65196-3
Gravado em 14 de julho de 1931 e lançado em novembro de 1931



PALMEIRA TRISTE


Samba Canção de Ary Barroso e Lamartine Babo
Gravado por Elisa Coelho
Acompanhamento de Rogério Guimarães ao Violão e Ary Barroso ao Piano
Disco Victor 33.536-A, matriz 65400-2
Gravado em 09 de março de 1932 e lançado em março de 1932



PRAGA


Samba Canção de J. Aymberê
Gravado por Elisa Coelho
Acompanhamento da Orquestra Victor Brasileira, sob a direção de João Martins
Disco Victor 33.561-A, matriz 65402-1
Gravado em 09 de março de 1932 e lançado em junho de 1932



VIVA O MEU BRASIL


Samba de J. Thomaz
Gravado por Elisa Coelho
Acompanhamento do Grupo da Guarda Velha
Disco Victor 33.593-A, matriz 65559-2
Gravado em 18 de julho de 1932 e lançado em agosto de 1932



NEGA MARIA


Samba de J. Thomaz
Gravado por Elisa Coelho
Acompanhamento do Grupo da Guarda Velha
Disco Victor 33.593-B, matriz 65558-2
Gravado em 18 de julho de 1932 e lançado em agosto de 1932









Agradecimento ao Arquivo Nirez
(arquivonirez.com.br)

Fonte - http://dicionariompb.com.br/elisa-coelho










Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...