quarta-feira, 9 de junho de 2021

RELEMBRANDO HENRIQUE OSWALD

HNRIQUE OSWALD
http://memoria.bn.br/




Vamos relembrar o compositor e pianista brasileiro Henrique Oswald, que muito se dedicou à música de câmera.


Henrique Oswald nasceu no Rio de Janeiro em 14 de abril de 1852. Era filho de Carlota Cantagalli, de origem italiana, e de Jean Jacques Oschwald que, ao se naturalizar brasileiro, mudou o sobrenome para Oswald.
 
Em 1853, sua família se transferiu para São Paulo. Nesta cidade, os Oswald se estabeleceram com um comércio de pianos.
 
Começou a estudar entre os seis e sete anos, com Gabriel Giraudon, um francês que se estabeleceu em São Paulo. Aos 16 anos, Henrique Oswald foi morar na Europa, residindo em Florença, Itália, e ingressando no Instituto Moriani, onde estudou contraponto, harmonia e composição com os professores Maglioni e Grazzini, e piano com Henry Ketten e Giuseppe Buonamici.
 
O imperador Dom Pedro II lhe concedeu uma bolsa de estudos em 1879.
 
Em 1896, já fazendo apresentações como pianista, veio ao Brasil, acompanhado do violoncelista Cinganelli, fazendo vários concertos, inclusive apresentando músicas de sua autoria. A partir de então, voltaria ao Brasil para várias excursões artísticas.


Gazeta de Notícias, 02 de outubro de 1896, p.02
http://memoria.bn.br/


 
O presidente Campos Sales, em 1900, o nomeou chanceler do Brasil no Consulado de Havre, indo depois para o Consulado de Gênova.
 
Venceria, em 1902, com a obra Il Neige, o concurso de composição do jornal Le Figaro, onde figuravam no júri, Saint-Saens, Gabriel Fauré e Louis Diémer.
 
Em 1903, o Barão do Rio Branco o nomeou diretor do Instituto Nacional de Música do Rio de Janeiro. Ficou no cargo até 1906.



HENRIQUE OSWALD
gallica.bnf.fr


 
Em 1909, no mesmo Instituto Nacional de Música, tocou de sua autoria, Concerto para piano e orquestra, sob a regência de Alberto Nepomuceno, então diretor. Ao voltar para Florença, recebeu o convite formal para assumir como catedrático uma cadeira no Instituto Nacional de Música, então, voltou definitivamente ao Brasil. Não voltaria mais à Itália e seria, no Brasil, um disputado professor. Entre seus alunos, podemos citar Lorenzo Fernandez, Luciano Gallet e Fructuoso Viana.
 
Recebeu a Médaille du Roi Albert em julho de 1920, conferida pelo governo da Bélgica.

Algumas de suas músicas seriam gravadas entre as décadas de 1920 e 1940. Em janeiro de 1930, Henrique Oswald gravou duas músicas de sua autoria pelo selo Brunswick, Barcarola - Op.14 - nº4 e Tarantella - Op.14 - nº3.
 
Em 1931, o embaixador da França no Brasil, comunica a concessão do título de Chevalier de la Légion d´Honneur.
 
Henrique Oswald faleceu em 09 de junho de 1931, no Rio de Janeiro, aos 79 anos de idade, recebendo a comenda francesa durante seu velório.



Excelsior, 1931
http://memoria.bn.br/


 

Segundo o site da Academia Brasileira de Música, Henrique Oswald, sendo pianista, deixou obras em especial para este instrumento. Também deixou importantes produções em outros gêneros, como sinfonias, concertos para violino e piano, música de câmara como duos, trios, quartetos e quintetos, três óperas, música sacra e canções para voz e piano.


Ouçam um pouco da obra de Henrique Oswald no site da Funarte: https://bit.ly/2TRQEfs




GRAVAÇÕES DE HENRIQUE OSWALD



BARCAROLA - OP.14 - Nº4
De Henrique Oswald
Gravada por Henrique Oswald ao Piano
Disco Brunswick 10.017-A, matriz 184
Lançado em janeiro de 1930


 
TARANTELA - OP.14 - Nº3
De Henrique Oswald
Gravada por Henrique Oswald ao Piano
Disco Brunswick 10.017-B, matriz 186
Lançado em janeiro de 1930


 
BERCEUSE
De Henrique Oswald
Gravada por Oscar Borgerth ao Violino
Acompanhamento de Francisco Mignone ao Piano
Disco Odeon B-3.305-B, matriz 8396-1
Gravado em agosto de 1948 e lançado em 1948




Il Neige!..., com Clara Sverner





RECORTES SOBRE HENRIQUE OSWALD


HENRIQUE OSWALD, 1867
    Arquivo Nacional
https://sian.an.gov.br/





HENRIQUE OSWALD, 1875
    Arquivo Nacional
https://sian.an.gov.br/




Correio Paulistano, 30 de julho de 1897, p.01
http://memoria.bn.br/



Correio Paulistano, 13 de agosto de 1897, p.01
http://memoria.bn.br/




Correio Paulistano, 19 de agosto de 1897, p.01
http://memoria.bn.br/



O Malho, 1903
http://memoria.bn.br/




Gazeta Artística, 1911 
http://memoria.bn.br/




Fon-Fon, 1916 
http://memoria.bn.br/




Música, 1918
http://memoria.bn.br/



Fon Fon, 1931
http://memoria.bn.br/



Correio da Manhã, 10 de junho de 1931, p.03
http://memoria.bn.br/




Correio da Manhã, 11 de junho de 1931, p.05
http://memoria.bn.br/




Correio da Manhã, 11 de junho de 1931, p.06
http://memoria.bn.br/



A Batalha, 11 de junho de 1931, p.05
http://memoria.bn.br/




A Noite, 10 de junho de 1931, p.08
http://memoria.bn.br/



A Esquerda, 10 de junho de 1931, p.03
http://memoria.bn.br/




A Esquerda, 11 de junho de 1931, p.02
http://memoria.bn.br/




Revista da Semana, 1931
http://memoria.bn.br/




Revista da Semana, 1931
http://memoria.bn.br/














Agradecimento ao Arquivo Nirez










Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...