terça-feira, 7 de junho de 2022

RELEMBRANDO O CANTOR BOB LAZY

 
BOB LAZY
Carioca, 1937
Arquivo Nirez





 
Bob Lazy foi um dos populares cantores da década de 1930 no Rio de Janeiro. Seu repertório era composto de canções norte americanas, tornando-o um dos artistas brasileiros que adotaram nome e a cultura estrangeira para divulgar no Brasil.


Seu nome de batismo era Ary da Roza, tendo nascido em 07 de junho de 1911, no bairro de Botafogo, no Rio de Janeiro. Era filho de Idalina Nunes da Roza e Joaquim Norberto da Roza.
 
Estudou no Colégio Pedro II.
 
No começo da década de 1930, ele era amigo de Noel Rosa, integrando as serenatas boêmias que o compositor de Vila Isabel participava. Ary cantava nessa época as canções brasileiras.
 
Tendo uma boa voz, dominando a língua inglesa e tendo uma boa pronúncia do idioma norte americano, adotou o nome artístico de Bob Lazy e passou a cantar fox e fox trot americanos no rádio brasileiro. Por essa época, a música vinda dos EUA fazia muito sucesso, de tal forma que Bob se tornou um dos populares cantores do Rio de Janeiro, mesmo cantando em inglês.
 
Em 1932, iniciou sua participação no rádio atuando no pioneiro Programa Casé, na Rádio Philips. Sua primeira música interpretada na rádio foi My Mother Eyes, de Abel Baer. Também atuaria na Rádio Mayrink Veiga, Rádio Club e Rádio Cruzeiro do Sul.

Em 10 de junho de 1943, casou-se com Jacy Valente de Aguiar.



O Malho, 1934
http://memoria.bn.br/

 
Em 1936, devido ao seu prestígio, foi convidado a ser um dos cantores que inaugurariam a Rádio Nacional do Rio de Janeiro, em 12 de setembro de 1936, sendo contratado pela emissora.



Carioca, 1936 
http://memoria.bn.br/


 
Sua música predileta era Night and Day, fox de Cole Porter.
 
Segundo a revista Carioca, em 1937, Bob Lazy media 1,70m e pesava 55 kg, tendo olhos e cabelos pretos.
 
Mesmo seguindo sua carreira como cantor, em 1937, ele estava estudando Medicina, formando-se em 1938.



Carioca, 1936
http://memoria.bn.br/



A Noite Illustrada, 1937
http://memoria.bn.br/


A Noite Illustrada, 1937
http://memoria.bn.br/



Carioca, 1937
http://memoria.bn.br/




Cinearte, 1938
http://bjks-opac.museus.gov.br/



Cinearte, 1938
http://bjks-opac.museus.gov.br/




O Malho, 1939
http://memoria.bn.br/

 

No começo da década de 1940, Bob Lazy se tornou crooner da Orquestra de Napoleão Tavares.
 
Em 1942, fez sua única participação em disco, gravando ao lado de Francisco Alves a marcha Sabremos Luchar, de Nássara, Frazão, Magalhães Jr. e P. Frischauer. Era época da Segunda Guerra Mundial e Francisco Alves havia gravado a mesma música em português. Nessa versão, Francisco Alves canta em espanhol e Bob Lazy, em inglês. O acompanhamento ficou a cargo de Fon Fon e sua Orquestra. A letra e castelhano foi feita por R. Magalhães Júnior, enquanto que, a em inglês, foi feita por P. Frischauer.
 
Ao longo da década de 1940, embora atuando com a Orquestra de Napoleão Tavares, foi diminuindo o ritmo de sua vida artística.

Como médico, atendia por Dr. Ary Roza.

 
Em 1957, foi eleito diretor do Riachuelo Tênis Club.

Em 1958, abandonou a carreira de cantor, na TV Tupi, e se mudou para São Paulo, tomando posse no cargo de médico da Secretaria de Saúde do Estado.
 

Também foi professor de Biologia, no Colégio Pedro II, em Mogi das Cruzes (SP).


Ele faleceu em 13 de novembro de 1980.




Carioca, 1950
http://memoria.bn.br/


  


RECORTES SOBRE BOB LAZY



Carioca, 1936
http://memoria.bn.br/



Carioca, 1937
http://memoria.bn.br/



Carioca, 1937
http://memoria.bn.br/




Carioca, 1937
http://memoria.bn.br/




Carioca, 1937
http://memoria.bn.br/



Programação da Rádio Nacional em dezembro de 1938
A Noite Illustrada, 1938
http://memoria.bn.br/



Carioca, 1939
http://memoria.bn.br/




Fon Fon, 1940
http://memoria.bn.br/




A Noite Illustrada, 1941
http://memoria.bn.br/




Correio da Manhã, 22 de janeiro de 1941, p.11
http://memoria.bn.br/




A Scena Muda, 1942
http://memoria.bn.br/




A Scena Muda, 1943
http://memoria.bn.br/



A Noite Illustrada, 1943
http://memoria.bn.br/



Visão Brasileira, 1945
http://memoria.bn.br/



Visão Brasileira, 1945
http://memoria.bn.br/



A Scena Muda, 1948
http://memoria.bn.br/



A Scena Muda, 1951
http://memoria.bn.br/




BOB LAZY
Carioca, 1937
Arquivo Nirez




O Malho, 1939
http://memoria.bn.br/






SABREMOS LUCHAR


SABREMOS LUCHAR
Marcha Patriótica de Nássara e Frazão
Versão em espanhol de R. Magalhães Júnior
Versão em inglês de P. Frischauer
Gravado por Francisco Alves (espanhol) e Bob Lazy (inglês)
Acompanhamento de Fon Fon e Sua Orquestra
Disco Odeon 12.121-B, matriz 6896
Gravado em 14 de janeiro de 1942 e lançado em março de 1942




Francisco Alves
 
En la guerra
se es preciso combatir
por la Patria
com valor puedo morir
Lucharé con amor
y el valor
de un pecho brasileño
Por el cielo azul
resplandeciente
que cubre de bonanza
nuestro continente
 
Nosotros queremos
vivir em la paz
Amamos la belleza
de la naturaleza
Pero si nos vienen molestar
con nuestras armas sabremos luchar
Y lucharemos
por el cielo refulgente
que cubre de bonanza
nuestro continente
 

 
Bob Lazy
 
In warfare
if we have to fight
to defend
our country´s sacred right
we will fight
with all might
day and night
for we will never bend
We, Brazilian men, will defend
the sky, the shinning tent
above our sacred land
 
We do love peace
Our beloved peace
We do love our life
Without blood and strife
But if we are insulte dor attacked
We will show we know how to fight
We will not bend
For we know how to defend
The sky, the shinning tent
Above our sacred land.














Agradecimento ao Arquivo Nirez










6 comentários:

  1. Filho de Joaquim Norberto da Roza e Idalina Nunes da Roza (seu sobrenome na verdade era 'DA ROZA' e não 'ROSA', casou-se em 10 Junho de 1943 com Jacy Valente de Aguiar. Em 1958 larga a carreira de cantor na TV Tupi e se muda para São Paulo, onde tomou posse do cargo de médico da Secretaria de Saúde do Estado.

    ResponderExcluir
  2. Faleceu em Novembro de 1980. Sua missa de 7º dia foi celebrada no Méier em 20/11/1980.

    ResponderExcluir
  3. Meu pai, Ary Roza era um homem extraordinário. Excelente médico, cantor e ser humano de caráter ilibado. Sua morte em 14/11/1980 no Rio de Janeiro, foi uma perda inestimável para toda a família.

    ResponderExcluir
  4. Seu falecimento foi em 13 de novembro de 1980 de enfarto agudo do miocárdio.

    ResponderExcluir
  5. Meu pai, tb foi professor de Biologia no Colégio D.Pedro I em Mogi das Cruzes, São Paulo.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...