Páginas

Translate

domingo, 21 de junho de 2020

RELEMBRANDO A GRANDE ATRIZ APOLÔNIA PINTO - 166 ANOS


APOLÔNIA PINTO
Capa de A Vida Fluminense, 1972
http://memoria.bn.br/



Há 166 anos nascia a grande atriz APOLÔNIA PINTO.

Appolônia Pinto nasceu em São Luís (MA) em 21 de junho de 1854. Sua mãe era uma atriz portuguesa e trabalhava no Theatro São Luís (atual Theatro Arthur Azevedo) na capital maranhense. A pequena Appolônia nasceu em um camarim desse teatro, que atualmente mantém o camarim número um (local simbólico), em homenagem à atriz.


Como atriz, Apolônia Pinto estrearia em 1866 no mesmo teatro onde nasceu. Em 01 de janeiro de 1870, estreou no Rio de Janeiro na Companhia Furtado Coelho, com a peça A Morgadinha de Val Flor. Nesse mesmo ano, interpretou Margarida, em O Fausto.

Entre 1872 e 1877 foi contratada e recontratada por atores-empresários como Furtado Coelho, Valle, Jacinto Heller e Vasques. Ainda em 1877, a atriz e empresária Ismênia dos Santos contratou Apolônia Pinto que interpretou, com grande sucesso, o papel de Luísa em As Duas Órfãs, e o de Mimi, em A Doida de Montmayour.

Em 1872, novamente na Companhia Furtado Coelho, interpreta o papel de Luísa em O Primo Basílio, de Eça de Queiroz.

Como empresária, excursionaria pelo Norte em 1879.

Em 1882, organizou sua primeira empresa no Rio de Janeiro, no Theatro Lucinda. Mesmo assim, atuaria em outras companhias como primeira atriz: Companhia Dias Braga e Companhia de Furtado Coelho.

Apolônia Pinto criou vários personagens importantes em peças, como: Luísa, a médica de As Doutoras, de França Júnior; atuou em Dalila, de Octave Feuillet; Mercedes, em O Conde de Monte Cristo, de Alexandre Dumas, pai; Helena, em O Defunto, de Filinto de Almeida; Suzana, em A Cavalaria Rusticana, entre tantos outros.

Ao longo de sua carreira excursionou pelo Norte (Norte e Nordeste) e pelo Sul, América do Sul, indo também a Portugal, sendo aclamada por onde passava.


A República (CE), 01 de abril de 1895, p.02
http://memoria.bn.br/


A República (CE), 01 de abril de 1895, p.03
http://memoria.bn.br/


Manuel Durães, Oduvaldo Viana, Abigail Maia e Aplônia Pinto.
Montevidéo, 1930.
http://memoria.bn.br/

Em 1916, Apolônia Pinto fez parte do elenco do Teatro da Natureza, uma ideia realizada no Brasil pelo ator português (aqui radicado) Alexandre de Azevedo. Os espetáculos eram apresentados no Campo de Sant´Ana, no Rio de Janeiro e também contavam com a célebre atriz Itália Fausta no elenco.

Mesmo idosa, Apolônia Pinto continuava atuando, como em Flores e Sombra, peça de 1930.

O poeta Catullo da Paixão Cearense escreveu o poema Os Olhos Dela em homenagem à Apolônia Pinto. Esse poema foi gravado várias vezes no início do século XX com melodia de Irineu de Almeida.

Foi casada com o ator Germano Alves.


Germano Alves e Apolônia Pinto, 1930.
http://memoria.bn.br/


Vivendo no Retiro dos Artistas do Rio de Janeiro, Apolônia Pinto faleceu em 24 de novembro de 1937, aos 83 anos de idade.


APOLÔNIA PINTO
http://memoria.bn.br/



Apolônia Pinto em sua última fotografia.
Retiro dos Artistas, Rio de Janeiro, 1937.
http://memoria.bn.br/


APOLÔNIA PINTO
Arquivo Nirez


APOLÔNIA PINTO
Arquivo Nirez



Recortes sobre Apolônia Pinto


Theatro, 15 de janeiro de 1930, p.07
http://memoria.bn.br/



A Batalha, 23 de agosto de 1930, p.06
http://memoria.bn.br/



Diário Carioca, 25 de novembro de 1937, p.01
http://memoria.bn.br/


Diário Carioca, 26 de novembro de 1937, p.08
http://memoria.bn.br/


O Imparcial, 25 de novembro de 1937, p.02
http://memoria.bn.br/


O Imparcial, 26 de novembro de 1937, p.13
http://memoria.bn.br/


O Imparcial, 26 de novembro de 1937, p.14
http://memoria.bn.br/



O Radical, 25 de novembro de 1937, p.02
http://memoria.bn.br/


O Radical, 26 de novembro de 1937, p.02
http://memoria.bn.br/


Diário Carioca, 24 de novembro de 1939, p.05
http://memoria.bn.br/



Beira Mar, 08 de julho de 1944, p.07
http://memoria.bn.br/





Gravações de Os Olhos Dela


LYRA DOS SALÕES








OS OLHOS DELA
Cançoneta de Irineu de Almeida e Catullo da Paixão Cearense
Gravada por Lopes
Disco Odeon Record 40.522
Lançado em 1905



OS OLHOS DELA

https://discografiabrasileira.com.br/

Schottisch de Irineu de Almeida e Catullo da Paixão Cearense
Gravado pela Banda da Casa Edison
Disco Odeon Record 108.143, matriz XR-676
Lançado em 1907



OS OLHOS DELA

https://discografiabrasileira.com.br/

Canção de Irineu de Almeida e Catullo da Paixão Cearense
Gravada por Geraldo Magalhães
Acompanhamento de Orquestra
Disco Victor Record 98.451
Lançado em 1909



OS OLHOS DELA

https://discografiabrasileira.com.br/

Modinha de Irineu de Almeida e Catullo da Paixão Cearense
Gravada por Mário Pinheiro
Acompanhamento de Violão
Disco Victor Record 98.943
Lançado em 1910



OS OLHOS DELA
De Irineu de Almeida
Gravado pela Banda Carioca
Disco Brazil Record 70.202
Lançado em 1910



OS OLHOS DELA
Schottisch de Irineu de Almeida e Catullo da Paixão Cearense
Gravado Por Eduardo das Neves
Disco Odeon Record 120.342, matriz XR-1724
Lançado em março de 1913














Agradecimento ao Arquivo Nirez










Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...