sexta-feira, 31 de dezembro de 2021

ARACY CÔRTES - 100 ANOS DE SUA ESTREIA NO TEATRO DE REVISTA

ARACY CÔRTES
Jornal de Theatro & Sport, 1921
http://memoria.bn.br/
 



A atriz cantora ARACY CÔRTES é um dos maiores nomes do Teatro de Revista brasileiro e da própria música popular no Brasil. Sua rica trajetória artística foi marcada de sucessos e de muitos clássicos lançados por ela.
 
Há cem anos, ela estreava profissionalmente nos palcos do Teatro de Revista.
 
Confiram essa interessante história.


Zilda de Carvalho Espíndola nasceu em 31 de março de 1904. Era filha de Argemira Carvalho Espíndola e Carlos Espíndola, flautista e amigo do pai de Pixinguinha. A própria Zilda, amiga de infância do futuro autor de Carinhoso, desde cedo participava das rodas de choro, dançando ao lado da irmã, Dalva.
 
Na segunda metade da década de 1910, Zilda decidiu ser atriz e começou a participar do grupo amador Filhos de Talma.
 
Pouco depois, em 1920, ela já se apresentava ao lado dos amigos Pixinguinha e China (que eram irmãos), no grupo Os Oito Batutas. Acontece que China resolveu mudar o nome artístico da amiga, que não concordou de início. O nome escolhido foi Aracy Côrtes.
 
No começo, ela usava Zilda Côrtes. Até havia uma professora chamada Aracy Côrtes, conhecida no magistério carioca.
 
Após a insistência de China, Zilda resolveu adotar o nome artístico completo e, na noite de 31 de dezembro de 1921, como Aracy Côrtes, ela estreava nos palcos do Theatro Recreio, no Rio de Janeiro.
 
A peça se chamava Nós, Pelas Costas..., e era da autoria de J. Praxedes.
 
 
Nós, Pelas Costas...
 
Da autoria de J. Praxedes, a revista Nós, Pelas Costas..., com dois atos, quatorze quadros e duas apoteoses, estava programada para estrear no dia 30 de dezembro de 1921. A imprensa já a anunciava semanas antes dela ser levada à cena. A empresa responsável pelo espetáculo era a Companhia João de Deus, do ator de mesmo nome, e o teatro onde a acolheria seria o famoso Theatro Recreio.



J. PRAXEDES
Autor de Nós, Pelas Costas...
Jornal de Theatro & Sport, 1921
http://memoria.bn.br/





JOÃO DE DEUS
Ator e empresário
Jornal de Theatro & Sport, 1919
http://memoria.bn.br/


 
O maestro Pedro de Sá Pereira ficou responsável pela música da peça, enquanto os cenógrafos Emílio Silva e Ângelo Lazary ficavam encarregados do primeiro e segundo ato, respectivamente.
 
A jovem atriz Aracy Côrtes e o ator Albino Vidal foram contratados para atuar nesse espetáculo. O restante do elenco trazia nomes como: o próprio João de Deus, J. Silveira, Idelfonso Norat, Célia Zenatti, Ítala Ferreira, Albertina Silva, Leda Vieira, entre outros. Lembramos que Célia Zenatti era a segunda esposa do cantor Francisco Alves que, em 1921, ainda estava iniciando sua carreira de cantor no teatro musicado.
 
Aracy Côrtes interpretou os seguintes personagens: Guitarra Falsa, Rosa Branca e Vinho do Porto. Os cartazes destacavam sua estreia na peça.




O Paiz, 30 de dezembro de 1921, p.12 
http://memoria.bn.br/




Correio da Manhã, 28 de dezembro de 1921, p.05
http://memoria.bn.br/


 
O jornal A União, de 15 de janeiro de 1922, informava o enredo da peça: “a critica á burla que se faz a prohibição do alcool depois das 17 horas”. Um devoto de Bacco implorava-lhe sua intervenção “poderosa” para cancelar a proibição. Bacco chega ao Rio de Janeiro para entender-se com o prefeito (então, Carlos Sampaio). Porém, antes do encontro com o prefeito, Bacco tem certeza de que sua viagem fora inútil, pois, no Rio de Janeiro, “mesmo depois sas 17, bebe-se mais que em qualquer outra parte do mundo..”.



O Combate, 28 de dezembro de 1921
http://memoria.bn.br/




CÉLIA ZENATTI
O Combate, 30 de dezembro de 1921, p.03 
http://memoria.bn.br/




LEDA VIEIRA
O Combate, 08 de janeiro de 1922 
http://memoria.bn.br/


 
No dia 30 de dezembro, porém, os jornais anunciavam o adiamento da estreia da peça para o dia seguinte. Assim, Nós, Pelas Costas... estreou em 31 de dezembro de 1921, às 23 horas, no Theatro Recreio.
 
A crítica de O Paiz, do dia 01 de janeiro de 1922, reclamava da longa duração da peça, informando que uma ou outra cena e comentários tinham graça. No geral, para o jornal, “a montagem é decente, com scenarios vistosos, e bom guarda-roupa”.
 
Já o Correio da Manhã, em sua crítica de 02 de janeiro de 1922, informava que a peça, apesar do gênero revista “estar esgotadíssimo”, era bem-feita. Entre os nomes de destaque do elenco, o jornal citava a estreante Aracy Côrtes.
 
A Noite, em 03 de janeiro de 1922, falava bem do espetáculo, tendo uma boa impressão geral do mesmo.
 
A União, em crítica de 15 de janeiro de 1922, falava mal não só da revista, mas da Companhia em geral.
 
 
 
Seguindo carreira no Teatro de Revista



ARACY CÔRTES
Jornal de Theatro & Sport, 1921
http://memoria.bn.br/
 

 
Aracy Côrtes, podemos dizer, estreou bem nos palcos do Teatro de Revista. Apesar das críticas divididas sobre o espetáculo, ela já estava, em 19 de janeiro de 1922, no elenco de outra peça, com a mesma Companhia João de Deus e no mesmo Theatro Recreio. A peça se chamava Ver, Ouvir e Calar..., de Alfredo Breda e Indê Coutinho Vieira.
 
As peças não pararam de chegar para Aracy Côrtes que, em poucos anos já atingia o estrelato, tornando-se um dos principais nomes da história do teatro de Revista no Brasil e em sua música popular. Tudo isso, devido ao seu talento, belíssima voz e carisma, que conquistaram público e crítica através das décadas seguintes.
 
Seu prestígio no teatro musicado levou a ser convidada a gravar seu primeiro disco em 1925, na Casa Edison. Pelo selo Odeon Record, Aracy Côrtes lançou a canção de Pedro de Sá Pereira, A Casinha, lançada em 1924 na revista Secos e Molhados; Petropolitana, canção de Adalberto de Carvalho, lançada em 1915 pela atriz cantora Pepa Delgado; e Serenata de E. Toselli. Chegaram até nós, apenas, as gravações de A Casinha e Petropolitana.
 
Aracy Côrtes seguiria uma vitoriosa carreira no Teatro de Revista, no rádio, em cassinos e excursões. Sua irmã, Dalva Espíndola, também seria atriz de teatro musicado.
 
Aracy Côrtes faleceu aos 80 anos, em 08 de janeiro de 1985.




A CASINHA

Selo de A Casinha
Arquivo Gilberto Inácio Gonçalves

Canção de Luís Peixoto e Pedro de Sá Pereira
Acompanhamento do Jazz Band Sul Americano Romeu Silva
Disco Odeon Record 122.884
Lançado em 1925




PETROPOLITANA

Selo de Petropolitana
Arquivo Gilberto Inácio Gonçalves

Canção de Adalberto de Carvalho
Acompanhamento do Jazz Band Sul Americano Romeu Silva
Disco Odeon Record 122.885
Lançado em 1925







Saibam mais sobre Aracy Côrtes e sua carreira: 

ARACY CÔRTES - (O NASCIMENTO DE UMA ESTRELA): https://bit.ly/3oXG9AS
 
ARACY CÔRTES - 114 ANOS (O SURGIMENTO DO MITO):
 
ARACY CÔRTES - 33 ANOS DE SAUDADE:
 
PEPA DELGADO, ARACY CÔRTES E A PETROPOLITANA:

http://bit.ly/2XRM6TF



 

ARACY CÔRTES
Illustração Modera (RJ) 1924
http://memoria.bn.br/


 



RECORTES SOBRE NÓS, PELAS COSTAS...




O Paiz, 29 de dezembro de 1921
http://memoria.bn.br/




O Paiz, 31 de dezembro de 1921, p.06
http://memoria.bn.br/




O Paiz, 01 de janeiro de 1922, p.16
http://memoria.bn.br/




O Paiz, 04 de janeiro de 1922, p.10
http://memoria.bn.br/




O Paiz, 01 de janeiro de 1922, p.04
http://memoria.bn.br/



Correio da Manhã, sábado, 31 de dezembro de 1921
http://memoria.bn.br/




Correio da Manhã, 02 de janeiro de 1922, p.04
http://memoria.bn.br/




ARACY CÔRTES
Jornal de Theatro & Sport, 1921
http://memoria.bn.br/




ARACY CÔRTES
Jornal de Theatro & Sport, 1921
http://memoria.bn.br/




Jornal de Theatro & Sport, 1921
http://memoria.bn.br/





Jornal do Brasil, 30 de dezembro de 1921, p.22
http://memoria.bn.br/




A Noite, 03 de janeiro de 1922, p.03
http://memoria.bn.br/




A União, 15 de janeiro de 1922, p.03
http://memoria.bn.br/





Revista da Semana, 1922
http://memoria.bn.br/














Agradecimentos ao Arquivo Nirez e a Gilberto Inácio Gonçalves





















 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...